quarta-feira, 30 de junho de 2010

domingo, 27 de junho de 2010

ISILDUR'S BANE - Mind 1 (Suécia)


Quando a banda foi formada em 1976, havia um forte interesse nos livros de Lendas, Arte e Musica, fazendo com que a escolha do nome da banda estivesse fortemente ligada a estes fatos e ao tipo de música apresentado pelo grupo.
É difícil definir o ISILDUR'S BANE. Um grupo de vanguarda, de arte , de música de qualidade formado por excelentes músicos com alto grau de formação. Só ouvindo para se ter idéia do som que esses caras fazem.

* Klas Assarsson - drums [1]
* Jonas Christophs - Guitar[1]
* Fredrik "Gicken" Johansson - Bass[1]
* Mats Johansson - keyboards[1]
* Kjell Severinsson - drums[1]

Former Bandmembers

* Jan Severinsson - Flute & Violin[1]
* Mats Nilsson - Guitar & vocals[1]
* Ingvar Johansson - Bass[1]
* Bengt Johnsson - keyboards[1]
* Dan Andersson - Guitar & Oboe[1]
* Bo Nilsson -Guitar
Songs / Tracks Listing

1. The flight onward - Phases 1-5 (12:05)
2. Ataraxia (3:27)
3. In a state of comprehension (4:24)
4. The pilot (5:38)
5. Unity (3:31)
6. Opportunistic walk - Phases 1-2 (15:15)
7. Holistic medicine (14:51)
8. A blank page (3:08)

>>Download<<

NATÜRLICH PROG - Programa N.º 7


quarta-feira, 23 de junho de 2010

HELDON - Stand By & Un Rève sans Consequences




Banda Francesa formada nos anos 70 pelo guitarrista e multi-instrumentista Richard Pinhas (às vezes chamado de Fripp Francês ), o teclista Patrick Gauthier, o baterista François Auger e dezenas de outros músicos que entravam e saiam ao longo de seis álbuns entre os 74 e '79. Seu som pode ser melhor descrito como uma mistura de guitarras de Fripp com o frio e gelado prog do King Crimson e os drones hipnóticos do CAN ao longo de um áspero e agressivo fundo eletrônico.

Seus seis primeiros álbuns vão desde ligeiramente espaciais e tranquilos ("Allez Teia") até cerebrais ataques sônicos ("Interface"). O mais fácil de ser absorvido e mais recomendado para neófitos é "Stand By". É o menos caótico e mais "CRIMSON-like" do lote, porém, ainda apresenta um frenético Pinhas '/ tocando uma guitarra torturada que beira o "Heavy Metal" em alguns pontos, que se completa com um baixo feroz e vocais guturais. Em 1998, Pinhas tentou reviver a banda com um álbum chamado "Only Chaos is Real", com os letristas franceses Maurice Dantec e Normand Spinrad (com sua voz digitalmente tratada), e com o cantor "trash" David Korn. Este álbum não está em sintonia com o resto, soando mais como "punk techno". Em geral, as músicas dos seis álbuns são sombrias e frias, mas fascinantes e intensas. Ele combina os elementos das escolas francesa e alemã de eletrônica em algo único. Heldon.....
Quer provar ?............Experimente !


domingo, 20 de junho de 2010

PETER AND THE WOLF - 1975



Excelente album conceitual, baseado na Obra de Sergei Prokofiev.

Produzido por: Jack Lancaster, Robin Lumley & Dennis McKay.

Recorded at Trident Studios,London.
Engineered by Dennis McKay.
Re-mix engineers: Dennis McKay, Peter Kelsey & Jerry Smith.

Narrador: Viv Stanshall
Peter: Manfred Mann
Bird: Gary Brooker
Duck: Chris Spedding, Gary Moore
Cat: Stephane Grappelli
Wolf: Eno
Pond: Keith Tippett
Granfather: Jack Lancaster
Hunters: Jon Heisman, Bill Bruford, Cozy Powell, Phil Collins, Alvin Lee,
Robin Lumley, Julie Tippett and The English Chorale.

Robin Lumley - piano
Julie Tippett, Bernie Frost - vocals
Manfred Mann, Gary Brooker, Eno - synthesizer
Pete Haywood - steel guitar
John Goodsall, Chris Spedding, Alvin Lee - guitar
Gary Moore - guitar on 2,3,5,7,9,10,17,20-22
Percy Jones, Andy Pyle, Dave Marquee - bass guitar
Cozy Powell - drums on 3,19
Phil Collins - drums
John Heisman - snare drums
Bill Bruford - cymbals
Erika Michailenko - chimes
Stephane Grappelli, Henry Lowther, Jack Lancaster - violin

>>Download<<

sexta-feira, 18 de junho de 2010

MY SOLID GROUND - SWF Sessions








MY SOLID GROUND.
Em Junho de 1971 o "My Solid Ground" entrou nos estúdios SWF in Baden-Baden para um show ao vivo para a rádio.
Devido a questões legais, eles não puderam tocar nenhuma das músicas contidas no seu LP, sendo assim eles apresentaram somente material novo.

Este CD apresenta as quatro canções que foram executadas nesse show para a radio para a SWF , apenas dois meses após gravar o seu LP homônimo com o mesmo Line-up. Este trabalho se iguala ao trabalho oficial em qualidade e expressão musical.

Inspirado pela planejada realização dos "SWF Sessions" , o fundador do "My Solid Ground" , Bernhard Rendel gravou outras 7 faixas no Outono de 2001. O scopo dessas novas gravações se aproximam do "Space-Rock" e letras dos tempos da psicodelia.
Algumas dessas canções foram adicionadas como "Bonus Tracks" neste CD.

Line-up:
- Karl-Heinrich Dorfler / bass
- Bernhard Rendel / vocals, guitar
- Ingo Werner / organ, piano, Mellotron
- Andreas Wursching / drums

Track List:
01. Hysterical – 2:50
02. BBB – 6:39
03. Superconstellation – 2:35
04. Short Waves – 6:53
05. Drive (Bonus 2001) – 5:26
06. Grand Nightmare (Bonus 2001) – 6:32
07. 1-40 (Bonus 2001) – 9:51
08. The Cruzifixion (Bonus 2001) – 4:10
09. Frogster (Bonus 2001) – 4:16
10. Moonclouds (On Earth) (Bonus 2001) – 4:07
11. Mystery Metal Thing (Bonus 2001) – 11:34

>>Download<<

TWILIGHT - Day and Night ( 1975)











TWILIGHT foi um quarteto de rock Alemão, da cidade de Bonn , com tendências progressivas . A capa de seu único álbum é ilustrada com um belo desenho de tema fantasioso.
Além da faixa título bastante progressiva; o som da banda está na mesma linha do Clássico "Thin Lizzy" ou mesmo Lynyrd Skynyrd. Mas o clima flutua com visitas a vários estilos musicais.
A faixa título começa com um violão dedilhado e o som do vento. Os teclados e a Bateria entram na mistura, os teclados sobressaindo antes de que o violão de Kramatz entre. Diferentemente de outros arranjos no álbum, o violão de Kramarz tem um som limpo, . As notas do keyboard de Huder são leves, suaves como a chuva que cai.
“Country Waltz” é um "Southern rock dos anos 70 . A "Living in the Morning” evoca um som de registro mais baixo, que lembra um pouco o Supertramp . ““Rock ‘N’ Roll Chillun” no início chega a nos lembrar de Zeppelin, e logo envereda por um som tipo Judas Priest salpicado de Mountain.
Vale a pena conferir.

Line-up:
- Volkmar Kramatz / guitar, vocals
- Ulrich Hulder / keyboards
- Jurgen Bieler / bass, vocals
- Roland Glasser / drums

Track List:
01. Day And Night – 8:35
02. Country Waltz – 3:48
03. Leaving In The Morning – 6:00
04. Rock ‘N’ Roll Chillun – 4:47
05. Stranger In Your Town – 7:23
06. White Queen Boogie – 4:05
07. Last Night In Verona – 2:39
08. Ships Sailing On Sea – 5:28

>>Download<<

quinta-feira, 17 de junho de 2010

ALBERGO INTERGALATTICO SPAZIALE - Angeli di Solitudine


Depois do enorme sucesso de sua banda anterior, "I Giganti" na década de 60, Giacomo "Mino" Di Martino dedicou completamente a explorar música de vanguarda, formando este duo com a esposa Edda "Terra" Di Benedetto, após um curto período com um grupo chamado "Telaio Magnético". Albergo Intergalattico Spaziale era o nome de um clube privado em Roma que lhes pertenciam.

Seu único álbum, lançado por eles próprios em 1978, mas gravado um par de anos antes, contém músicas de teclado em uma veia similar a muitos LPs alemães de música cósmica ou alguns dos experimentos de Franco Battiato, com o órgão como instrumento principal, apenas acompanhado em algumas partes pela voz de Terra .
O álbum foi concebido como uma mensagem anti-nuclear. O resultado é um LP difícil, que pode ser interessante para aqueles iniciados nas obras de Battiato. O disco de 37 minutos é bem enriquecido; no recente CD e relançamentos em vinil, pela faixa bônus Hymalaya, sonhadora, mais acessível que a maior parte do LP.
Após o álbum, Di Martino e Terra seguiram seus caminhos experimental, com muitos shows até os anos 80, e Mino também lançado em meados da década de 90, uma peça teatral, "Le Campane del Gloria , com base na poesia do cineasta Pier Paolo Pasolini, com a ajuda do ex- teclado/ violino / guitarrista do Stormy Six , Tommaso Leddi.

Uma compilação de demos inéditas na sua maioria registadas entre o final dos anos 70 e início dos anos 80 foi lançado pela Giallo Records em 2009, intitulado Angeli di Solitudine.
Um único álbum "ultrarare", de emissão privada de um punhado de cópias, Albergo Intergalattico Spaziale foi abrigado em uma capa única contendo uma capa interior, uma inserção e um poster desdobrável, tudo fielmente reproduzido na reedição Psych-Out recente (limitado a 300 cópias) com uma faixa extra incluída.

Não existem prensagens estrangeiras . Vale a pena conferir, pela raridade e pelo experimentalismo da dupla.

Albergo Intergalattico Spaziale Musicando (MUS 011) 1994 reissue of 1978 album with 1 bonus track.


quarta-feira, 16 de junho de 2010

MUGEN - The Princess of Kingdom Gone

MUGEN - The Princess of Kingdom Gone

Studio Album, released in 1988

1. The Princess Of Kingdom Gone
2. The Lady Of Shalolt
3. Legend Of The Forest
4. Dazzling Ligeia
5. Black Panther
6. Trident Rock
7. Una Donna

MUGEN - Sinfonia Della Luna






Essa banda de rock progressivo Japonês foi fundada em 1978 por Katsuhiko Hayashi (keyboards) and Takashi Nakamura (vocais and keyboards).
Em 1984 eles realizaram o seu primeiro trabalho "Sinfonia Della Luna" , um trabalho melódico com muito violão clássico, belas linhas de mellotron e lindos solos de guitarra. Outra característica interessante são as intensas acelerações no andamento das músicas adicionando uma certa tensão nas composições. As frases de keyboard lembram muito o trabalho de TONY BANKS no Genesis.
No terceiro álbum, "The Princess of Kingdome Gone" ('88) essa tensão diminui, e embora bonito, não tem a mesma pegada do primeiro.
Os vocais, são interessantes, mas deixam a impressão de ser uma espécie de JON ANDERSON preparado em treinamento.

Line-up / Musicians

- Katsuhiko Hayashi / synthesizers, Mellotron
- Kazuo Katayama / drums, percussion
- Shohei Matsuura / basses, pedals
- Takashi Nakamura / lead vocals
- Kazue Akao / vocals (3)
- Taku Fuji / guitars (1-4-5)

domingo, 13 de junho de 2010

MANEIGE - Le Porches Live 1975


Line-up:
- Alain Bergeron / flutes, piccolo, saxophone
- Gilles Schetagne / drums, percussions
- Denis Lapierre / guitars
- Yves Leonard / bass
- Jerome Langlois / piano, guitar, clarinet
- Vincent Langlois / percussions, piano

Track List:
01. Les Aventures De Saxinette Et Clarophone – 16:20
02. Chou-Fleur – 15:36
03. La Grosse Torche – 1:43
04. Galerie III – 6:09
05. Chromo – 5:14
06. Les Porches De Notre-Dame – 17:21
07. Jean-Jacques – 4:54

Este álbum ao vivo de 1975 é dividido em dois sets. O primeiro "Saxinette Adventures" está excelentemente executado, o verdadeiro centro das atenções é a segunda faixa, uma inédita de 15 min + Chou-Fleur. Parece ser uma combinação de improvisações sobre temas anteriores, (alguns dos quais são conhecidos), perfeitos, esta faixa é certamente um ponto alto desta versão. A primeira série termina no Galerie III , que fez parte do seu primeiro álbum.

O segundo set começa no "Chromo", mas o destaque desta parte é a versão de 17 min "Les Porches De Notre Dame", onde Lappierre faz um solo de guitarra um tanto incomum (para o Maneige), mas dificilmente não desejado.

Fechando, a calma Jean-Jacques. Este CD póstumo ao vivo às vezes pode ser até melhor do que as gravações de estúdio.



AHORA MAZDA - Ahora Mazda (Holanda) 1970


Tracks:
01. Spacey tracey (D. Abbink) [8:28]
02. Timeless dream (D. Abbink) [3:32]
03. Orane vrijstaat (D. Abbink, R. van Wageningen) [7:30]
04. Fallen tree (D. Abbink, R. van Wageningen) [9:13]
05. Power (D. Abbink) [6:48]
06. Fantasio (D. Abbink, R. van Wageningen) [5:20]

CD bonus tracks:
07. Vybra stroll (D. Abbink) [1:58]
08. Nosy noise (D. Abbink, R. van Wageningen) [3:06]
09. Huddo jaw (D. Abbink, R. van Wageningen) [1:54]
10.Pushy (D. Abbink, R. van Wageningen) [4:41]
11.Try to forget (D. Abbink) [2:59]


Album de 1970, do grupo progressivo Holandês, com 5 bonus tracks que não constam em outros trabalhos, (pois foram retiradas de gravações demo da banda). Um som meio espacial, com improvisações psycho, um pouco parecidas com os momentos mais abstratos do. "Annexos Quam".
"Ahora Mazda" ( uma corruptela de Ahoera Mazda) é o nome do deus da Luz no Zend-Avesta, o livro sagrado dos antigos Persas.
Depois de concertos pelo país e depois do selo americano E.S.P. (Que já tinha gravado um album do SOLUTION) demonstrar interesse sem no entanto apresentar nenhum contrato , Joop Visser, do grupo Bovema tomou a iniciativa de produzir o álbum do grupo. Ao invés de gravar longas trilhas eles decidiram produzir canções mais curtas, com trabalhos de arranjo mais elaborados. Depois de tres dias de gravações no Bovema studios, onde eles experimentaram várias possibilidades de dubbing e efeitos especiais, eles produziram material suficiente para um LP do AHORA MAZDA para o selo Catfish em 31 de maio de 1970.

Em 1965, os músicos de jazz Rob van Wageningen (flauta, saxofone) e os irmãos Pedro e Winky Abbink (baixo e bateria, respectivamente) estavam tocando regularmente com outros músicos de jazz como Hans Dulfer, Henk van Es e Theo Taldik sob o nome de FREE ART GROUP. Neste grupo, tocavam jazz tradicional de livre expressão, inspirado por músicos como Ornette Coleman, Sun Ra e John Coltrane. Eles também acompanhavam poetas durante encontros de jazz e poesia.

A Eles se juntou Tony Schreuder (baixo), em 1968, enquanto eles se chamavam de grupo 67/68. Tony é um colega de Rob da loja de discos onde ambos trabalhavam. A chegada de um baixista fez com que Peter Abbink mudasse para a guitarra. Durante concertos em Felix Meritis eles encontram Ruud Tegelaar, gerente do centro de Fantasio. Ele pede-lhes para se tornar a banda da casa em Fantasio. A partir de então trocam o nome da banda para Ahora Mazda, que vem de "Ahoera Mazda", o deus da luz do santo livro Zend Avesta. O nome é sugerido por Tegelaar. Sob a influência de Jimi Hendrix, Captain Beefheart e The Mothers Of Invention a música é alterada de jazz para avant-garde e rock psicodélico.
Influências de world music também desempenham um papel na exploração musical da nova banda. A Percussão torna-se cada vez mais um ingrediente importante e Rob também começa a tocar kalimba (um piano de polegar) e diversas flautas orientais. As Letras das músicas são recitadas e cantadas e tornavam-se cada vez mais entrelaçadas com a viagem musical. Eles não só tocavam em Fantasio . Eles também apareciam em shows beneficentes como "Músicos para o Vietnam". São também vistos em apresentações conjuntas com bandas como Shocking Blue, Groep 1850 e Circus.

Em 1971 Tony Schreuder e Abbink Winky estão tendo mais problemas tocando e ensaiando as músicas. Em shows, eles precisam da ajuda de músicos substitutos, como o guitarrista Jan Landkroon e Michiel Krijnen. Abbink é substituído por Paul van Wageningen, que tocou bateria no Groep 1850. Devido a estas dificuldades e da falta de atmosfera que veio com a substituição a banda deixou de existir.

sexta-feira, 11 de junho de 2010

THE NICE - Five Bridges



A banda foi formada em maio de 1967 para servir de apoio à cantora de soul P.P. Arnold. Após algumas apresentações com Arnold durante meados do ano, o The Nice acabou ganhando reputação própria. Em agosto, Davison substituiu o baterista original, Ian Hague. O primeiro álbum do The Nice foi gravado ainda no mesmo ano. Trabalhos iniciais tendiam a um som psicodélico, mas logo elementos mais ambiciosos vieram à tona. As influências clássicas e do jazz manifestaram-se em citações musicais a Carl Philipp Emanuel Bach e Dave Brubeck.

Em seu segundo single criaram um arranjo para America de Leonard Bernstein, que Emerson descreveu como a primeira música instrumental de protesto. A obra não só usa a peça de Bernstein como também inclui fragmentos de da Sinfonia nº 9 de Antonín Dvořák.

David O'List deixou o grupo durante a gravação do segundo álbum. Participou brevemente do Jethro Tull após a saída de Mick Abrahams e em uma formação antiga do Roxy Music antes de juntar-se ao Jet em 1973. A banda considerou substitutos, mas decidiu posteriormente manter-se como um trio. O controle de Emerson sobre a direção musical se tornou ainda maior, resultando em trabalhos mais complexos.

Os primeiros trabalhos do pianista francês Jacques Loussier e do quarteto de Charles Lloyd também podem ser vistos como influência da banda. Loussier criava arranjos de jazz a partir de obras clássicas, especialmente de Bach. O The Nice apresentou duas peças do repertório de Lloyd, Sombrero Sam e Sorcery. Parte do trabalho da banda era a transferência de invações dos artistas de jazz em um som mais elétrico, o que também influenciou bandas como The Who, Jimi Hendrix e The Beatles. Outra influência foi Bob Dylan, cujas canções eram bastante famosas na época.

O segundo LP Ars Longa Vita Brevis apresentava arranjos da suíte Karelia, de Jean Sibelius, e o outro lado era um suíte com arranjos de um movimento de Johann Sebastian Bach. O grupo usou uma orquestra pela primeira vez em algumas partes da suíte.

As apresentações ao vivo da banda eram marcantes, principalmente por Emerson. Com seu órgão Hammond, realizava movimentos inspirados por Jimi Hendrix, Don Shin e Jerry Lee Lewis. A ausência de uma guitarra na banda e a liderança do teclado de Emerson no rock tornou o The Nice uma banda bastante distinta de suas contemporâneas.

Durante uma longa e popular turnê que seguiu o lançamento do segundo álbum, o grupo chamou atenção do público com Emerson queimando uma bandeira dos Estados Unidos no palco durante uma apresentação de America.

O terceiro álbum apresentava em um dos lados gravações da turnê pelos Estados Unidos e outro lado de materiais de estúdio. Por volta de 1970, os membros da banda estavam frustrados com a falta de sucesso na cena musical e logo terminaram. Emrson formou uma banda com Greg Lake (do King Crimson) e Carl Palmer (do Atomic Rooster): o Emerson, Lake & Palmer.

Um lançamento póstumo intitulado Elegy incluiu uma versão do trio para a Sinfonia Patética de Tchaikovsky e My Back Pages de Bob Dylan, ambas gravadas em estúdio, além de apresentações ao vivo de Hang on to a Dream e America durante a turnê de 1969 pelos Estados Unidos.

Após o fim da banda Lee Jackson formou o Jackson Heights, que lançou cinco álbuns entre 1970 e 1973. Brian Davison formou o Every Which Way, que lançou um álbum em 1970. Tanto Jackson quanto davison formaram o Refugee com Patrick Moraz em 1974, mas disapostaram-se novamente quando um tecladista deixou novamente sua banda. Moraz juntou-se ao Yes, substituindo Rick Wakeman, que posteriormente acabou voltando à banda.

O The Nice foi reformulado em 2002 para uma série de concertos. A voz de Jackson já estava deteriorada, mas o instrumental dos integrantes ainda estava excepcional.

Discografia :

* The Thoughts of Emerlist Davjack]] (Immediate, 1968)
* Ars Longa Vita Brevis]] (Immediate, 1969)
* Elegy (The Nice album) / Everything As Nice As Mother Makes It (Immediate, 1969)
* Five Bridges]] (Charisma, 1970)
* Elegy (The Nice album) (Charisma, 1971)
* Vivacitas]] (Sanctuary, 2004)

>>Download<

terça-feira, 8 de junho de 2010

WIGWAM - The Dark Album ( Finlândia)





Wigwam é uma banda finlandesa de rock progressivo formada em 1968.

Wigwam foi fundada após a cisão da seminal Blues Section, com quem o baterista Ronnie Österberg tinha tocado antes.
Ele formou o WIGWAM como um trio, mas logo trouxe o cantor britânico (expatriado) e compositor Jim Pembroke (também do Blues Section) e o organista Jukka Gustavson. Um ano depois, Pekka Pohjola entrou no baixo. Kim Fowley produziu o segundo álbum do Wigwam Tombstone Valentine (1970). Este álbum também contou com um trecho da composição eletrônica Erkki Kurenniemi do "Dance of the Anthropoids". O álbum de 1974 "BEING" é considerado a obra-prima do Wigwam.

O Grupo Finlandês Wigwam foi verdadeiramente um dos pioneiros do rock progressivo. A história do WIGWAM pode ser dividida em duas épocas distintas: a original ou" Wigwam "antigo" de 1969-1974 e o "Wigwam" novo 1974-1977. Os dois foram significativamente diferentes, em termos de pessoal e do som. A música desta banda única é dominada pelo piano e sons de órgão, todos envolvidos em uma música, às vezes sombria e cheia de influências típicas da escandinavia.
Existe porem uma interação grande entre todos os os músicos. Temos a nítida sensação de que eles estavam fazendo isso só de curtição!

Tombstone Valentine" foi o primeiro álbum do Wigwam que pela primeira vez parece mostrar que os membros da banda começavam a lidar com cada um os desejos musicais individuais . De muitas maneiras, "Fairyport" foi uma continuação de "Tombstone Valentine", mas eu diria que é um pouco mais experimental e progressivo. Hoje em dia, este álbum é considerado um clássico nos círculos do rock progressivo e tem uma série de características que o destacam como um dos grandes álbuns progressivo dos anos setenta. "Being" (1974) foi o último álbum da lendária Pembroke / Pohjola/ Gustavson / Österberg. Este álbum é um álbum conceitual, com a maioria das músicas e letras escritas por Jukka Gustavson. Este é um álbum essencial para qualquer fã de rock progressivo.
No início de 1975, a nova formação lançou o álbum que se tornou um clássico instantâneo, "Nuclear Nightclub".
Quando o album intitulado "Dark Album" foi lançado no final de 1977, o Wigwam já tinha deixado de existir.
Por um momento na década de 1970 o Wigwam parecia prestes a estourar na Europa, juntamente com bandas como Tasavallan Presidentti, mas apesar de terem sido muito elogiados pela imprensa do Reino Unido sua fama ficou restrita internacionalmente , e no final de 1977 eles se separaram.
Jim Pembroke e Ronnie Österberg formaram o Jim Pembroke Band no final de 1979, mas devido a problemas de saúde com diabetes, Österberg cometeu suicídio em 6 de dezembro de 1980.

Na década de noventa PEMBROKE, RECHARDT & GROUNDSTRÖM surpreenderam a muitos pela volta com a terceira edição do WIGWAM, mas isso é uma história totalmente nova, a ser contada ...


* Jim Pembroke (1969- ) (vocals, keyboards)
* Pekka "Rekku" Rechardt (1974- ) (guitar)
* Esa Kotilainen (1974-75, 1977, 2001- ) (keyboards)
* Mats Huldén (1968-70, 2004- ) (bass guitar)
* Jari "Kepa" Kettunen (1993- ) (drums)

BATERISTAS :

* Ronald "Ronnie" Österberg (1968-1980)
* Jan Noponen (1991-1993)

GUITARRISTA:

* Vladimir "Nikke" Nikamo (1968-1970)

BAIXISTAS :

* Pekka Pohjola (1970-1974)
* Måns "Måsse" Groundstroem (1974-2003)
* Jussi Kinnunen (2003-2004)

VIOLINISTAS

* Pekka Pohjola (1970-1974)

VOCALISTA

* Jukka "Gutsi" Gustavson (1969-1974)

TECLADISTAS

* Jukka "Gutsi" Gustavson (1969-1974)
* Heikki "Hessu/Pedro" Hietanen (1975-1977, 1991-1992, 1999-2000)
* Mikko Rintanen (1992-1993)

Musicos Convidados que participaram de Gravações

* Jukka Tolonen, guitar (1970-1974)
* Esa Kotilainen, keyboards (1974-1975, 1977)
* Ilmari Varila, oboe
* Tapio Louhensalo, bassoon
* Hannu Saxelin, clarinet
* Risto Pensola, clarinet
* Unto Haapa-aho, bass clarinet
* Eero Koivistoinen, soprano saxophone
* Pekka Pöyry, soprano saxophone
* Pentti Lasanen, clarinet, flute
* Paavo Honkanen, clarinet
* Aale Lindgren, oboe
* Juhani Tapaninen, bassoon
* Juhani Aaltonen, flute
* Seppo Paakkunainen, flute
* Erik Dannholm, flute
* Pentti Lahti, flute
* Kari Veisterä, flute
* Taisto Wesslin, acoustic guitar
* Erkki Kurenniemi, VCS3 synthesizer
* Jukka Ruohomäki, VCS3 programming assistant
* Heikki Laurila, guitar, banjo
* Kalevi Nyqvist, accordion

DISCOGRAFIA

* Hard 'n' Horny (1969)
* Tombstone Valentine (1970)
* Fairyport (1971)
* Being (1974)
* Nuclear Nightclub (1975)
* The Lucky Golden Stripes and Starpose (1976)
* Dark Album (1977)
* Light Ages (1993)
* Titans Wheel (2002)
* Some Several Moons (2005)

COMPILAÇÕES E ALBUNS AO VIVO

* Wigwam (1972)
* Live Music from the Twilight Zone (1975)
* Rumours on the Rebound (1979)
* Classics - The Rarest (1990)
* Highlights (1996)
* Fresh Garbage - Rarities from 1969-1977 (2000)
* Wigwam Plays Wigwam - Live (2001)

Jim Pembroke (& Wigwam)

Esses são albuns solos de Jim Pembroke , que foram acompanhados pelo Wigwam

* Hot Thumbs O'Riley: Wicked Ivory (1972)
* Jim Pembroke & Wigwam: Pigworm (1974)
* Jim Pembroke: Corporal Cauliflowers Mental Function (1977)

Dark Album by Natürlich Prog
>>Download<<

Soon......all the others....

domingo, 6 de junho de 2010

Dezo Ursiny - Provisorium

Em 1970 a banda Provisorium acabou, mas eles já tinham um contrato de gravação com Supraphon então o empresário de Ursiny decidiu pegar a metade da banda Flamengo já desfeita e juntar a Ursiny , mais o seu colaborador de longa data Jaro Filip. Esta visão do álbum com certeza era muito ambiciosa naquele momento em que foi gravado (1972), e tendo uma peça longa, no primeiro lado inteiro do vinil original. Só a semente do trabalho , a mais original de Ursiny é ouvida aqui. O som do álbum toma uma linha influências Inglesas, especialmente do início do King Crimson, e um pouco de VdGG. A abordagem inicial das composições de Ursiny, com influências leves dos anos 60 anos e da "música" bigbeat.
O compositor em "Provisorium" , está longe de seu trabalho mais maduro do final dos anos 70 e início dos anos 80. O desempenho do álbum não é o melhor, pois às em certos momentos parece que foi gravado às pressas, como se os ex-membros do "Flamengo" não tivessem tido tempo suficiente para ensaiar corretamente o material, com a direção de Ursiny. Além disso, existem alguns estilos de produção muito desatualizados usados aqui. Há uma seção da primeira faixa que é completamente encharcado com reverb, e os backing vocals, por vezes, soam como os Beach Boys ou BeeGees nos anos 60 , o que não era exatamente o que rolava em 1972.
Mas, vale a pena dar uma conferida no disco.
1. Christmas time (19:23)
2. Looking for the place to spend next summer (6:02)
3. Apple tree in winter (4:47)
4. I have found (7:58)
Lyrics


Line-up / Musicians

Dežo Ursiny /guitar. Vocals
Jaroslav Filip /piano, organ, bells, tympany
Vladimír Kulhánek / bass guitar
Jaroslav Šedivý /drums
Jaroslav Kubík /flute, saxophone

additional musicians:
Jirí Kaniak /oboe

IF - 2-Double Diamondby





1. Your City Is Falling
2. Sunday Sad
3. Tarmac T. Pirate And The Lonesome Nymphomaniac
4. I Couldn't Write And Tell You
5. Shadows and Echoes
6. Song For Elsa, Three Days Before Her 25th Birthday

7. Play,Play,Play
8. Pebbles On The Beach
9. Pick Me Up (And Put Me Back On The Road)
10. Another Time Around (Is Not For Me)
11. Groupie Blue (Everyday She's Got The Blues)
12. Fly,Fly,the Route Shoot
13. Feel Thing, Part 1
14. Feel Thing, Part 2
15. Feel Thing, Part 3

J.W. Hodgkinson - Vocals
Dick Morrissey - Saxophones, Flute
Dave Quincy - Saxophones
Terry Smith - Guitar
John Mealing - Keyboards, Vocals
Jim Richardson - Bass
Dennis Elliott - Drums

Dick Morrissey - flute, tenor and soprano saxophone , lead and background vocals
Fi Trench - piano, background vocals
Steve Rosenthal - guitar, lead and background vocals
Pete Arnesen - piano, organ, synthesizer, background vocals
Kurt Palomacki - bass, background vocals
Cliff Davies - drums, percussion, background vocals


sábado, 5 de junho de 2010

CAPITOLO 6 - Frutti per Kagua



CAPITOLO 6

Riccardo Bartolotti (vocals, guitar, flute)
Loriano "Fischio" Berti (sax, flute)
Jimmy Santerini (keyboards, vocals)
Mauro Romani (bass)
Lorenzo Donati (drums, vocals)

Em 1969, uma dupla de músicos da banda de Viareggio "Gli Eremiti" (o baterista Luciano Casa e o tecladista Jimmy Santerini) se juntou a uma banda de Livorno (I Rangers), e o resultado foi
um quinteto chamado Capitolo 6.
Dois bateristas foram incluídos no line-up, embora Luciano Casa tocasse violão de 12 cordas e fizesse backing vocals na maioria das vezes.
O grupo obteve um contrato com a gravadora RCA filial IT (graças ao produtor RCA Tessandori Roberto, que também era de Viareggio), um rótulo que estava muito mais interessado em singer-songwriters do que em grupos de rock e o primeiro single apareceu em 1971. O grupo que agora estava sediado em Roma e com um novo line-up com Loriano Berti, de Grosseto, que substitui Luciano Casa.
É fato que o grupo teve várias mudanças de line-up neste período, um clipe da Tele Capodistria TV da Iugoslávia os apresenta como um quarteto, com Donati como cantor, Santerini (no baixo), Berti no sax / flauta e um guitarrista
chamado Roberto.Eles tiveram muita atividade ao vivo, tocando no festival Viareggio, em 1971, e gravando em 1972 seu único LP Frutti per Kagua.
Um álbum misto, com duas faces muito diferentes, o primeiro contendo a faixa-título com 22 minutos de duração, com flauta em evidência e um bom som. O Guitarrista Bartolotti foi responsável pelo som mais pesado do grupo.
O Lado dois contém três faixas, com letras bem mais curtas (do compositor italiano Francesco De Gregori), mas menos inspiradas em seu conteúdo musical.
O Single "Il Grande Spirito" (com uma faixa inédita lançada no lado B) também foi retirada do álbum, mas a banda decidiu separar-se em Outubro de 1972, devido à falta de sucesso. Eles também foram destaque, cantando músicas de outros artistas, em algumas compilações que a RCA lançou em todo o mundo para o festival de Sanremo 1972, e até mesmo incluidos em um álbum do compositor Mario Capuano.

Um novo line-up com Bortolotti, Romani, Antonio Favilla (teclados) e, provavelmente, Giovanni Galli (bateria), mas este grupo teve uma vida muito curta.
O Tecladista Antonio Favilla foi incluído no segundo line-up do Campo di Marte, mas, ele teve problemas com drogas e, infelizmente, morreu no início dos anos 90.
O tecladista original Santerini morreu de leucemia, em 1977.



terça-feira, 1 de junho de 2010

JACK BRUCE AND FRIENDS






E, para completar as postagens com um som mais psych , Jack Bruce, Larry Coryell, Mike Mandel e Mitch Mitchell .