sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Merry Xmas and Happy New Year !



Meus Caros amigos e companheiros de Net-jornadas, Um Feliz Natal ! e um Ano Novo cheio de PAz, sucesso e felicidades.
O NATÜRLICH PROG BLOG vai dar uma parada de 10 dias em virtude das festas de final de ano e em 2011 voltaremos com carga total.
Grande abraço à todos os que aqui compareceram e prestigiaram este blog.


My Dear Friends and fellows of net-journeys, Merry Xmas and a Happy New Year ! I wish you all a bag full of happiness and peace
The blog will stop for a period of 10 days due to Xmas Hollidays. See you next year with a lot of new posts.
Hugs.

Gäel.

MONA LISA - Avant Qu'Il ne Soit Trop Tard


O Rock Teatro era uma forma popular de entretenimento entre os Franceses na década de 70. Sabe-se muito bem que as performances de Peter Gabriel e o Genesis tiveram um impacto enorme nas platéias Francesas, além do ANGE, que tinha a vantagem de ter a visão bem francesa sobre a forma de interpretação nesses espetáculos além de ter desenvolvido as suas próprias idéias nos shows.
O MONA LISA, um grupo de Orleans pertence a essa escola de Rock Teatro Francesa, que foi iniciada pelo ANGE. Possivelmente, o MONA LISA foi o grupo mais bem sucedido nesse tipo de espetáculo entre os seus concorrentes no início da década de 70.

L'Escapade ( gravado nos estúdios Citadel em Outubro de 1974) foi um álbum competente, embora tenha sido embotado por uma engenharia de som falha. Ele foi produzido pelo guitarrista do ANGE, Jean-Michel Brezovar (como primeira tentativa na nova função). Musicalmente, não passou de uma pálida marca de influência do GENESIS, particularmente nas partes de guitarra que mostram uma clara influência de Steve Hackett. Outra característica do disco é o estranho registro do orgão de Dominique Le Guennec.
De uma maneira geral, o álbum soa como um conjunto de idéia ainda mal resolvidas, embora tenha qualidade musical.

Não satisfeito com o resultado de seu primeiro álbum, o MONA LISA grava o seu segundo álbum,  GRIMACES, no estúdio Azurville em Setembro de 1975, ajudado por Jean-Pierre Massiera e por Bernard Belan. O som do grupo agora era maduro, com um uso mais variado e profissional dos instrumentos, com maior intensidade e temas mais estruturados e bonitos. O vocalista agora desenvolve um estilo mais distinto, mais forte e expressivo. Ao se ouvir o disco dá para imaginar Le Guennec se apresentando , com as suas roupas estravagantes, como as usadas nas apresentações ao vivo.
O álbum é cheio de partes brilhantes, tais como em "Le Jardin des Illusions" e em "Accroche-Toi Et Suis-Mois". É fácil perceber a influência do Genesis em "The Lamb Lies Down on Broadway" que havia sido lançado no ano anterior.

Mesmo assim, o MONA LISA era capaz de melhorar em cada álbum. O terceiro álbum do grupo foi a sua obra prima, se comparando aos melhores albuns do GENESIS e do ANGE. Isso se deu devido a cuidadosa montagem das composições e um som mais acessível. O grupo trabalhou vários meses com Massiera e a engenharia de Belan.


Fica aqui então, a minha sugestão para uma audição prazeirosa de uma legítima música progressiva francesa.

Apreciem os tres CDs do MONA LISA.

Dominique Le Guennec / lead vocals, flutes, sax, percussion
Jean-Paul Pierson / keyboards, vocals
Christian Gallas / guitar, vocals
Jean-Luc Martin / bass, vocals
Francis Poulet / drums, percussions, vocals


 Avant Qu'Il ne Soit Trop Tard

MONA LISA - Grimaces

MONA LISA - Le Petit violon de Mr. Grègoire

sábado, 18 de dezembro de 2010

PULSAR - Strands of the Future

O segundo álbum do Pulsar, "THE STRANDS OF THE FUTURE", é uma das obras-primas definitiva e indiscutível do prog francês e, juntamente com sua próxima gravação' Halloween ', representa o pico da banda em termos de inspiração e desempenho. Seu estilo continua a ser um pouco inspirado na era do Pink Floyd de 73 a 75, mas também há referências óbvias ao Tangerine Dream e a música eletrônica de Jean-Michel Jarre (devido a presença de múltiplas camadas de sintetizadores e Mellotrons) e também algumas passagens bastante convincentes de flauta e violão . Todo este complexo sonoro é perfeitamente manifestado na suite homônima top-notch de 22 minutos. Na verdade, essa faixa poderia ser referida como a canção Pulsar definitiva, uma vez que não só engloba as vários vertentes musicais que compõem o estilo da banda, mas também  os leva  para um nível magnífico - os temas e as modalidades são magistralmente criados sob a bandeira progressiva no seu estado mais essencial.
Os solos de guitarra que vão reaparecendo aqui e ali ficam em algum lugar entre o vibe hipnótico de Hackett e  as dissonâncias  de Fripp , na maioria das vezes criando diálogos interessantes entre os sintetizadores. . A breve seção cantada é magnífica, e assim são as linhas de sintetizadores e as canções que são exibidas através de todas as faixas seguintes, spacey sinfônica. Você pode dizer que este é o  prog poeticamente apaixonado típico do prog francês, mas não no sentido de Ange / Mona Lisa (teatral, cínico), mas sim em um clima mais melancólico, introspectivo, algo como uma viagem psicológica para os reinos mais profundos e obscuros do eu individual, o que explica porque o som do Pulsar tende a ser tão obscuro e sombrio em alguns momentos.

- Victor Bosch / drums, percussion
- Gilbert Gandil / guitars, vocals
- Roland Richard / flute, strings
- Jacques Roman / keyboards, synths
- Philippe Roman / bass, vocals


Strands of the Future

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

PULSAR - Pollen


Incrível, embora um pouco subestimado este  disco de estréia desta banda de prog francês. A música aqui tende a ser suave, e um pouco mais experimental do que nos seus álbuns seguintes. Este é o único álbum onde eles cantam em francês (Nos seus álbuns seguintes, eles cantam de forma tão ininteligível, você não  sabe se eles estão cantando em Inglês ou Francês, ou ambos - mas, claro, os álbuns são muito bons.) . A configuração do teclado é basicamente o synths seqüênciador Solina, ARP 2600, sintetizador e piano. Estranhamente, o Mellotron não aparece aqui (mas está em  seus álbuns seguintes). Um bom disco de estréia para os apreciadores do bom prog.
- Victor Bosch / drums, percussion
- Gilbert Gandil / guitars, vocals
- Roland Richard / flute, strings
- Jacques Roman / keyboards, synths
- Philippe Roman / bass, vocals
- Carmel Williams / voice (3)

1. Pulsar (3:00)
2. Apaisement (7:30)
3. Puzzle / Omen (8:00)
4. Le cheval de Syllogie (7:00)
5. Pollen (13:05)



APOLOGIES

For those who requested the posting of the complete book of SWEDISH PROGS, my apologies for the delay.
Time has been short and my job takes me most of the time available.
But there it is.

Swedish Prog Covers 
(The Entire Book)

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

TEMPUS FUGIT - Live

A BAnda Brasileira TEMPUS FUGIT explodiu em meio à cena progressiva Brasileira com um dos melhores albunsdo ano !Tales from a Forgotten World". Desde então essa sua primeira obra tem sido aplaudida por gente como Ken Golden (Laser's Edge), Bernard Gueffier (Musea) e Andrés Valle ( Mellotron magazine, que os incluiu em uma lista com os 30 melhores discos de estréia de todos os tempos).

André Mello - Keyboards & Vocal
Ary Moura - Drums
Bernard - Baixo & Narração
Henrique Simões - Guitarras

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

TANGERINE DREAM - Live in Paris

Em 31 de Março de 1986, o Tangeriune Dream fez dois concertos no Teatro Olympia de Paris. O último concerto deles em Paris havia sido em 1981. Esses dois shows de 86 foram uma surpresa para os fans. Primeiro , porque eles presenciaram uma nova formação do TD :  Johannes Schmoelling foi substituído por um jovem tecladista Austriaco, Paul Haslinger. Depois, o TD apresentou um som diferente ; mais digital, mais percussivo, com impressionante seção de sequenciadores, precisos, harmonicos e melódicos. A música era alta e a platéia descobriu um tipo de música eletrônica sofisticada, e cheia de uma energia característica de uma banda de rock, tocada com um impressionante show de luzes, perfeitamente sincronizada com a música.
23 anos depois, esses concertos de Paris continuam muito especiais, pois eles abriram caminho para uma nova direção no som do TD e mostrou que o trio Franke - Froese - Haslinger era o mais criativo dentre as formações anteriores do TD.
A maestria de Christopher Franke nos sequenciadores e na computação era evidente e estava no seu auge....Computadores, Samplers e sintetizadores digitais substituiram os antigos Sequenciadores Moogs analógicos. Eles adicionaram uma nova dimensão percussiva, novas possibilidades rítmicas. Na minha opinião, poucos músicos chegaram tão longe no trabalho de programação como Franke
Eu espero que voces curtam tanto quanto eu.

01. Paris 31 Mar 86 Live [Part 1] 43:56
02. Paris 31 Mar 86 Live [Part 2] 33:25
Total running time: 77:21

Composer(s) Edgar Froese, Chris Franke, Peter Baumann, Johannes Schmoelling, Paul Haslinger
Musician(s) Edgar Froese, Chris Franke, Paul Haslinger

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

TANGERINE DREAM - Live in Sheffield

Este é o segundo volume da série Tangerine Tree . Edgar Froese, Chris Franke e Peter Baumann se apresentaram no City Hall in Sheffield em 29 de Outubro de 1974. 
Trata-se de uma única faixa de 44 minutos de duração. A Música é serena, suave, flutuante e meditativa. É uma longa improvisação onde o Mellotron, orgãos Sintetizador EMS e piano com tratamento eletronico criam belas paisagens musicais. Vale a pena escutar.

This is the second volume of the Tangerine Tree series. Edgar Froese, Chris Franke and Peter Baumann played at the City Hall in Sheffield, on October 29th, 1974.
In this 44 minutes long track, Tangerine Dream's music is serene, floating and meditative: it is a long improvisation, where mellotron, organs, EMS Synthy and treated piano create beautiful soundscapes

domingo, 12 de dezembro de 2010

SECRET SAUCER - Second Sighting

Grupo de Ohio, completamente instrumental, psych & spacey. Imperdível para os apreciadores do gênero.

O Secret Saucer começou em 2001 com as gravações para o primeiro CD. Se reuniram durante uma semana em Ohio  e começaram a tocar.  Todas as músicas são resultado de improvisações inspiradas no estilo krautrock.
Quatro das músicas foram lançadas como um EP, resultado de 12 horas de gravações que acabaram resultando no primeiro álbum "Element 115", que só foi lançado em 2005, pelo selo "Dead Earnest record Label".
Dois anos mais tarde, em 2007 a produção seguinte, "Second Sighting" se aproveitando das sessões de verão do ano anterior (2006).
SECRET SAUCER é especialmente indicado para fans  da fase psicodélica doPorcupine Tree ou Hawkwind, Gong, Man, Oresund Space Collective and Ozric Tentacles.
- Paul Williams (synths, drums)
- Greg Kozlowski (guitar, bass)
- Jay Swanson (pinao, synths)
- Steve Taylor (guitar, bass, drums)
- Steve Hayes (synths, bass)
- Thomas Marianetti (drums, synths)
- Billy Spear (bass)
- Dan Schnell (acoustic & electric guitar)
- Dave Hess (synths, gliss)
- Ted Boburka (drums, synths)
 

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

FRED - Notes & Live






Once more, many thaks to my friend Roger who appeared again with these two gifts . Thank you my friend with your help !

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

HADDAD - Eros & Thanatos






Gustavo Haddad - Teclados, Vocal e Efeitos
Paulo Sodré - Baixo
Sérgio Melo - Bateria 
Leandro Haddad - Violão
Gabriel Haddad - Guitarra
Músicos Convidados :
Zezito Haddad - Saxofone
Zé Benedito Gomes - Flauta Transversal
Hariton Nathanalides - Violino e Viola
Leo Caetano - Guitarra e Violão
Paulo Sodré - Contrabaixo
Geilson, Fabiane e Weruska : Coro

Gravado, Mixado e Masterizado entre Abril de 2007 e Novembro de 2008

Thanks to my Friend Roger for this one ! Thank you friend

CD 1

CD 2 




domingo, 5 de dezembro de 2010

sábado, 4 de dezembro de 2010

Il Tempio delle Clessidre

Magnífico trabalho do ex vocalista do MUSEO ROSENBACH, Stefano "Lupo" Gallifi, que reuniu um grupo de músicos de primeira linha e gravou este maravilhoso CD !

As músicas são modernas, com arranjos sofisticados, mas, belíssimos ! É um CD para qualquer colecionador, ou não,  ter em sua discoteca . Altamente aconselhado.

Stefano "Lupo" Galifi - Voce
Elisa Montaldo - Pianoforte, tastiere, Organo, concertina, voce
Fabio Gremo - Basso
Giulio Canepa - Guitarre
Paolo Tixi - Bateria

Il Tempio delle Clessidre


German Oak - Nibelungenlied

O Grupo Dark alemão de volta com um disco cativante de  "kraut-improvisações" .Todas as faixas se apresentam ameaçadoramente pesadas, distorcidas com momentos psicodélicos e que merecem uma audição séria.  Muito Louco !
Após o seu agradável e mais popular esforço, "Nibelungenlied", sublinha a dimensão da livre-destruição sonora de suas músicas. O som é sempre dominado por gritos /  partes de guitarra bluesy, experimentos de som e efeitos macabros  de teclados.
"Os feitos heróicos de Siegfried" é uma composição escura e minimalista, com um melancólico tom medieval . A percussão selvagem anuncia uma delicada seqüência simplista  de guitarra em um tom melancólico. "Nibelungenlied I" é uma composição agressiva, dinâmica orientada para a guitarra, com sentido hipnótico, misturando as seqüências, todas na improvisação com uma linha de baixo repetitiva e alguns solos de guitarra viciosos.
 "Gunter & Brunhild", Hagen von Tronje "e" A morte de Siegfried "são jams de kraut-bluesy  com efeitos de pedal wha wha e estranhamente doomy, atmosferas sinistras. Pesado, complexo, estranho e legal!  Uma "obra-prima" .
 Este álbum só deve ser evitado por aqueles que não podem suportar uma audição lenta e paciente. Não tente gostar desse disco logo na primeira audição, pois é um trabalho complexo e detalhado ! 
NOTA : Este CD não é indicado para iniciantes......

1. The Heroic Deeds Of Siegfried
2. Nibelungenlied I
3. Gunter & Brunhild
4. Hagen von Tronje
5. Siegfried's Death
6. Dankwart, Ruediger & Hildebrand
7. Dietrich von Bern
8. Nibelungenlied II
9. Lament

Franz - Guitar, Vocals
Harry - Bass
Leo - Drums
Ulli - Guitar

GERMAN OAK