domingo, 17 de março de 2013


STEELY DAN - Gaucho


Gaucho é o sétimo álbum de estúdio do grupo americano de Jazz rock Steely Dan, realizado em 1980. As sessões de gravação do disco, representam o pico do perfeccionismo do grupo, que atingia a obsessão.
Para gravar este álbum, a banda usou nada mais nada menos do que 42 músicos, passou mais de ano dentro do estúdio e estourou o orçamento de gravação dado pela gravadora.
Durante os dois anos gastos na gravação do álbum a banda sofreu com uma série de problemas de criação, de pessoal e profissional. Se envolveu num processo entre a MCA e a WARNER BROS relativo aos direitos para a realização do disco. No fim, o Steely Dan ainda foi questionado judicialmente pelo músico KEITH JARRETT, pela a adição de créditos devido a canção título "Gaucho".
Esse disco marcou uma significativa mudança de estilo do grupo, introduzindo uma atmosfera minimalista,  e groovy. A harmonia de acordes complexos, que era característico do grupo cedeu a vez para canções mais leves e descomplicadas e com um balanço mais marcado. Gaucho foi o último álbum de estúdio do grupo antes de um hiato de 12 anos.


ARTI & MESTIERI - Tilt ( Repost)


Considerada uma das bandas prog  mais influentes da Itália e da Europa, 25 anos depois a banda ainda se surpreende com o sucesso dos seus álbuns TILT & GIRO DI VALZER PER DOMANI, verdadeiras obras primas do gênero e para os amantes do fusion.
Se você ainda não conhece, aproveite !

LEONARD COHEN - Songs of Love and Hate


Leonard Norman Cohen (Montreal, 21 de setembro de 1934) é um cantor, compositor, poeta e escritor canadense.
Embora seja mais conhecido por suas canções, que alcançaram notoriedade tanto em sua voz quanto na de outros intérpretes, Cohen passou a se dedicar à música apenas depois dos 30 anos, já consagrado como autor de romances e livros de poesia.
Leonard Cohen nasceu em Montreal, província de Quebec, Canadá, de uma família judia de origem polonesa (polaca). A sua infância foi marcada pela morte de seu pai quando Cohen tinha apenas 9 anos, fato que seria determinante para o desenvolvimento de uma depressão que o acompanharia durante boa parte da vida.
Aos 17 anos, ingressa na Universidade McGill e forma um trio de música country. Paralelamente, passa a escrever seus primeiros poemas, inspirado por autores como García Lorca.
Já estabelecido como escritor, Cohen decide se tornar compositor. Para isso, muda-se para os Estados Unidos, onde conhece a cantora Juddy Collins, que grava duas de suas composições ("Suzanne" e "Dress Rehearsal Rag") em seu disco In My Life, de 1966.
No ano seguinte, Cohen participa do Newport Folk Festival, onde chama a atenção do produtor John Hammond, o mesmo que antes havia descoberto, dentre outros, Billie Holiday e Bob Dylan. Songs of Leonard Cohen, seu primeiro disco, é lançado no final do ano, sendo bem recebido por público e crítica.
Seu próximo disco, Songs from a Room, seria produzido por Bob Johnston, produtor dos principais trabalhos de Dylan nos anos 60. Embora não tão bem recebido quanto o anterior, contém a canção "Bird on the Wire", que o próprio Cohen disse ser a sua favorita dentre as suas composições. Em 1971, lança Songs of Love and Hate, um disco mais sombrio que os anteriores. No mesmo ano, o diretor Robert Altman, em seu filme McCabe and Mrs Miller, utiliza três canções de Cohen: "Sisters of Mercy", "Winter Lady" e "The Stranger Song", todas do primeiro disco do cantor.
Um novo livro de poemas, The Energy of Slaves, é lançado em 1972 e, no ano seguinte, o disco ao vivo Live Songs.
Também em 1973, por ocasião da Guerra do Yom Kipur, Cohen faz uma série de shows gratuitos para soldados israelenses. Baseada no poema "Unetaneh Tokef " da tradição judaica, surgiria a canção "Who by Fire", incluída no álbum New Skin for the Old Cerimony, a ser lançado no ano seguinte.



sábado, 9 de março de 2013


MATTHEW PARMENTER - Astray


Conhecido por sua composição narrativa e performances fantasiado, como homem de frente da banda DISCIPLINE, Matthew Parmenter revela seu lançamento solo , "Astray".  O CD de 68 minutos apresenta todas as faixas novas, incluindo a suíte de 21 minutos "MODERN TIMES".

Produzido e desenvolvido por Parmenter, "Astray" é decididamente psicodélico na atmosfera. Canções se desdobram em improvisações de sonho que cercam o ouvinte. O baixista Mathew Kennedy aparece em todo o CD, o único músico convidado em "Astray". Parmenter cobre vocais e os outros sons, incluindo piano, guitarra, bateria, saxofone, violino, órgão, sintetizadores, marimba, Theremin, e os de Mellotron.

Gravado no mesmo estúdio que gravou"Push & Profits" e "Unfolded like Staircase" do Discipline . Após o sucesso de "Unfolded.", a Stereo Periferic lançou e distribuiu o CD
As vendas mundiais, entrevistas, opiniões, e centenas de mensagens na Internet sobre os grupos de discussão da Usenet, como rec.music.progressive ajudaram a estabelecer Parmenter e o DISCIPLINE como pilares do movimento rock underground progressivo.

Além de seu trabalho com o DISCIPLINE, Parmenter já tocou com outras bandas no palco e no estúdio. Parmenter tocou violino  para a banda TILES em seus CDs "Presents of Mind" e "Window Dressing". No ProgDay de Chapel Hill, de 2000,  Parmenter apareceu no conjunto Tiles ", e mais tarde fez uma apresentação solo na mesma noite.
O Grupo de grupo de rock alternativo Radium, de Detroit recentemente apresentou-se com  Parmenter tocsndo violino. No ano de 2005, Parmenter deu uma prévia de 45 minutos, como aperitivo de seu material solo em apoio ao lançamento do CD do projeto Aether DARK  no Orion Studios, vitrine do rock progressivo de Baltimore.

Como cantor e tecladista do DISCIPLINE, Parmenter visitou a Noruega com a banda e realizou inúmeros shows por todo os EUA,  partilhando o palco e dividindo as contas com artistas novos e consagrados, como Ozric Tentacles,  STEVE HOWE do YES, Anekdoten, e ECHOLYN.



PHANTON'S DIVINE COMEDY


Em 1974 a Capitol Records lançou um álbum chamado "Phantom's Divine Comedy Part  I" .
Antes do longplay, a empresa lançou um compacto SP " Calm before the Storm / Black Magic, White Magic" (No. 3857; disco-promo com etiqueta branca e o disco de série com etiqueta laranja).

A Música do álbum soava como The Doors. E o vocalista ..realmente soava como Jim Morrison.
A capa do disco foi impressa com informações que no grupo tocava o baterista X , o baixista Y , tecladista  Z e o cantor Phantom.

Oficialmente, o Rei Lagarto morreu em 07/03 / 1971, em Paris. Mas as circunstâncias de sua morte eram misteriosos e bastante estranhas.
Alguns  jornalistas sugeriram em seus escritos que Jim Morrison tinha de fato não havia morrido e  que ele voltava com uma nova banda.
A Capitol Records se manteve em silêncio enquanto fazia receita com o álbum.
A Electra Records, companhia dos Doors entrou com uma ação contra a Capitol . E o álbum e o grupo desapareceram sem ninguém soubesse de mais nada . Oficialmente, ninguém soube o nome dos  músicos por anos.
Vernon Joyson , escreveu na sua "The Tapestry of Delight" que Phantom's Divine Comedy foi na realidade um grupo chamado "Phantom" (o anteriormente conhecido como Walpurgies ) que gravou um  outro álbum chamado "The Lost Album" (bootleg: Flash 49 e CD por Ghost em 1990) e que tinha o seguinte line-up:
Tom Carson- vocais
Denis Craner- baixo
Gary Meisner - guitarras
Mike DeMartino teclado 
John Badanjeck- Bateria (ex-Detroit Wheels).
Phantom-aka-Walpurgies-CD "Lost Album"

 Este mesmo line-up gravou um outro álbum em 1978 sob o nome de Happy Dragon Band (Fidllers 1157).
Mas uma coisa era intrigante :  Em 1973, uma gravadora chamada Hideout, lançou um single chamado calma "Calm before the Storm / Magia Negra, Magia Branca "(No.1080) pela Divina Comédia Fantasma. É o mesmo?
Mais Tarde, GARY GAWINEK escreveria para  Vernon Joyson :
Dizendo  que todas as informações sobre Phantom's Divine Comedy estavam erradas
O verdadeiro line-up seria :

Arthur Pendragon -  Vocais, guitarra, piano e Compositor de todas as músicas.
James Rolland - Bateria.
Harold Breadly -  Bass.
Russ Klatt - Teclados.





2112 - El Maravilloso Circo De Los Hermanos Lombardi


O novo álbum chamado El Maravilloso Circo De Los Hermanos Lombardi desta banda de prog argentino pesado - 2112,  lançado em Maio de 2012, é um achado !

Eles não lançavam nada desde 2000 , mas eles têm uma atividade muito prolífica em apresentações ao vivo e em festivais prog  durante todo esse tempo, após seu terceiro álbum .

Com sinceridade, este novo álbum é um dos melhores álbuns de Heavy-Prog  desses ultimos anos !  Um Welcome Back para essa excelente banda.

Com dois novos membros, o baixista Gabriel Costa e, de longe, o melhor vocalista que eles tiveram, a banda soa melhor do que antes em Todos os aspectos . O som, os arranjos, tudo é justo, maduro e profissional na melhor das hipóteses, este novo álbum é melhor do que todas as três versões anteriores juntas, não há dúvida sobre isso.

O que me agrada nesta versão, além da arte da capa que impressiona , a grande história por trás do álbum sobre os Irmãos Lombardi e seu famoso Circus Lombardi, e o trabalho de guitarra.

A partir da primeira faixa Los Hermanos Lombardi , a guitarra é extasiante e mostra que Tambussi depois de tantos anos, quase 25 anos de carreira nunca soou tão bem na banda.
Esta faixa define o humor para álbum inteiro, cada peça é grande, não há momentos de fraqueza, cativante passagens alternadas com pedaços de voz com os instrumentais.

Eu gostei muito do que ouvimos aqui, esses caras tem um algo  mais, e este álbum prova que eles estão entre os melhores , com certeza.
Esta versão tem tudo, guitarra firme com riffs e solos excelentes, Bateria certeira, linhas de baixo brilhantes e uma voz muito boa, que anda de mãos dadas com a música,

Line-up / Musicians

- Sergio Moscatelli / drums
- Juan Tambussi / guitars
- Gabriel Costa / bass & backing vocals
- Germán Ivaldi / lead vocals

 

SHAUN GUERIN - The Epic Quality of Life


O primeiro CD de Shaun Guerin , pela "The Dark of Light, foi principalmente uma performance solo. Desta vez Shaun recruta alguns de seus companheiros da banda"Cinema Show" (uma banda de tributo Gênesis)  e cria uma produção mais elaborada.

Shaun Guerin é um multi-insturmentalist que gravou com o Clearlight, Symphony o Cinema Show  e o  K2, bem como era  o baterista do the Rocket Scientists  antes sucumbir aos seus demônios interiores.

Seis faixas vocais e três instrumentais que são muito bem escritas e perfeitamente realizadas. Dos três instrumentais, o destaque é The Edge of the earth, que apresenta uma faixa de bateria incrível, muito reminiscient dos melhores trabalhos da década de 70 da era Phil Collins. Red Zone e 5 to go rock bem na veia de Los Endos. Este CD  é realmente uma grande mistura do som  do Gênesis clássico e, algumas influências de Prog-Jazz-Rock .

Os vocais das faixas são todos cativantes. "Monstersin my Room" é uma narração viva da experiência de uma criança que desafia as criaturas que espreitam seu quarto a noite . Julieta é uma canção de amor, provavelmente uma metáfora para a sua própria circunstância. 

Line-up / Musicians

- Shaun Guerin / vocals, drums, keyboards, guitar, bass
- John Thomas / electric, 6 and 12 string acoustic guitars
- Matt Brown / keyboards, Mellotron, vocals
- Dan Shapiro / bass 


JADIS - See Right Through You

Eu não me lembro de algum álbum do Jadis que eu não tenha gostado ! E esse caso, não é uma excessão !
Depois de 6 anos de Silêncio o Jadis está de volta !
Gary Chandler e Steve Christey (um baterista muito bom se você me perguntar) retornam agora com dois novos companheiros: Arman Vardanyan nos teclados e Andy Marlow no baixo. A adição desses dois novos companheiros  contribuiram para uma parede sonora muito boa para os riffs melódicos e sempre fortes de Gary.
Os momentos de Vardanyan em que seu protagonismo conduz as canções tem uma marca muito original que deixa claro que ele não se limita apenas aos sons de ambientação

Line-up / Musicians
Gary Chandler / guitar, vocals
Steve Christey / drums, percussion
Arman Vardanyan / keyboards
Andy Marlow / bass guitars

Songs / Tracks Listing
01.Why can't I be me
02.What if I could be there
03.You wonder why
04.All is not equal
05.Learning curve
06.Nowhere near the truth
07.More than ever
08.See right through you


 

ASSENZIO - Avon



Line-up / Musicians
- Gigi Lorusso / guitar
- Emanuele Manzo / bass
- Lino Paglionico / vocals, flute
- Fabio Prota / keyboards
- Cristiano Valente / drums

AVON é um novo projeto de Progressive Rock Italiano de um grupo de Bari chamado ASSENZIO. Lançado em 2005
"Avon" é um álbum conceitual sobre os sete pecados capitais. Assenzio é um grupo talentoso cujas influências incluem Area, King Crimson, Genesis e PFM.
Eles me lembram  muitas Bandas clássicas  italianas em determinadas áreas, mas sua mistura eclética de estilos atuais traz à mente fabulosas bandas mais recentes, como Akt e Braindead.
Esses caras mostram talento com a sua fusão de altos riffs movidos ao sabor ou no toque delicado do Le Orme.
A introdução é uma das mais belas peças de música que você vai ouvir, com flauta serena e encantadora com guitarra clássica com um sabor medieval.
Mas eles não são uma experiência essencialmente madura, esses caras beiram o hard rock, embora eles nunca cheguem ao prog-metal. Um Hard rock, com um ligeiro cruzamento com fusion, ocasional, muito especial !.
Lino Paglionico nos vocais todos em italiano e  num registo de alta, enérgico e com bom controle.
Os guitarristas são impressionantes eo álbum está cheio de trabalho  melódico .
A seção rítmica mantém as coisas interessantes durante todo o trabalho  com backup apertado e certeiro.
Os Teclados são muitas vezes apenas fantásticos, interessantes seções jazzy alternam com as sinfônicas, as partes de piano são as minhas favoritas.
Há uma flauta fresca e guitarra dupla que atravessa Passione com o apoio de graves interferências.
Quanto mais perto L'Oppio é um rock emocionante, com fortes ligações melódicas que vão agradar a todos os fãs de rock. Um ritmo emocionante ao longo de uma banda claramente emocionante..