sábado, 22 de fevereiro de 2014


DAVID BYRON - THE LOST SONGS


01- American Woman
02- Natural Born Boogie
03- Let It Be
04- Bring It On Home To Me
05- Lady D'Albanville
06- Behind A Painted Smile
07- Too Busy Thinking About My Baby
08- I'm Gonna Make You Mine
09- Need Your Love So Bad
10- Race With The Devil
11- Cold Turkey
12- Keep On
From the "Chrysalis Compendium" Demo Tracks":
13- Babe That Ain't Enough For Me (Duet with Peter Green)
14- Sing A Little Sunshine Song (Duet with Peter Green)
15- Without You (Duet with Peter Stirling- incomplete)
Bonus tracks
16- Little Piece Of Leather (Heep live 1974)
17- If I Had The Time (Heep live 1973)
18- Rock'n'Roll (Rough Diamond live 1977)
19- David Byron Interview (Chris Tetley tapes 1979)

Este CD é uma espécie de coleta de gravações de David, feitas entre 1968 e 1971 e no bonus, canções de 74 a 79.
É um CD exclusivo para os fãns de David Byron e do Uriah Heep, onde ele mostra toda a sua versatilidade e talento que o fizeram um dos ícones do rock Inglês da década de 70. Vale conferir.

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014


ÄNGLABARN - Änglabarn


Um dos mais procurados registros suecos finalmente em CD! Com uma combinação de Procol Harum e Sordin de John Holm e letras sutis. Anglabarn foi vendido muito caro no mercado de colecionadores, mas agora está finalmente disponível para os entusiastas dos anos 70. Remasterizado pelo dinamarquês hippieledgend, Tomrerclaus e mais duas faixas de seu single de 7 polegadas como bônus. O disco possui muitas mudanças de estilo, mas geralmente permanece no terreno FOLK com um vocal forte, recheado de sotaque do país. Vale a audição.

ALPHA III - AMIR CANTÚSIO :  Voyage to Ixtlan, 1990


ALPHA III, na verdade, é o projeto de um homem só. Amir Cantúsio Jr. nascido em Campinas, SP (Brasil), em 1957. Com apenas 5 anos de idade iniciou seus estudos de piano e violão. Como parte de sua formação musical, ele estudou intensamente música experimental, principalmente na Universidade de São Paulo (USP) e na Universidade de Campinas (UNICAMP).
Amir Cantúsio Jr. ganhou a  Medalha Carlos Gomes (Um Premio Especial no Brasil) por representar Campinas com o seu trabalho em CDs e LPs em em mais de 15 paises. Ele também ganhou vários premios, incluindo o primeiro lugar no FESTIVAL DE SÃO PAULO em 1974 - PROJETO GUARANI  por melhor Arranjo e Composição. Ele também é o proprietário do primeiro Selo de Rock Progressivo e Musica Eletrônica Experimental no Brasil,  FAUNUS RECORDS, fundado em 1984. Ele também fundou uma gravadora chamada ALPHA III Produções Artísticas em 1985.
Ele foi considerado o melhor tecladista do mundo por tres vezes; Na Espanha (com o álbum Ruínas Circulares, 1986), no Japão em 1986 , e no Canadá ( International Electronic Music Festival), com o álbum  SEVEN SPHERES em 1991. Em 1993, o selo Italiano MELLOW RECORDS classificou Amir como o melhor tecladista do mundo. O mesmo premio foi conquistado em 1996 no Green Dolphin's 3rd Annual International Critics and Musicians Poll (Latvia/Scandinavia/Netherlands) . Ele também trabalhou como produtor e Tecladista/Vocalista com inúmeras bandas no Brasil e em outros países.

1. Overture 0:48
2. The Cave Of Gods 25:14
3. Inner Fire 6:09
4. Voyage To Ixtlan 13:31
5. The Wizard 6:01
6. Between The Two Worlds 5:37
7. The Other Side 10:02
8. Stone Warriors 6:44

Amyr Cantúsio Jr. - keyboards
Paulo Archangelo - guitars
Lucio Archangelo - bass
Romano Ferrari - drums
+
Eduard Furlan - bass (5)
Mauricio Lambiasi - drums (5)

domingo, 16 de fevereiro de 2014


VIENNA CIRCLE - Silhouette Moon




Silhouete Moon é o segundo album do grupo de rock progressivo inglês conhecido como VIENNA CIRCLE, e seguindo o seu álbum de estréia de 2009 White Clouds. A banda toca um Neo-Prog charmoso e melódico mas nada parecido com grupos como o Pendragon, IQ e Marillion e atravéz desse CD eles apresentam um trabalho soberbo  contrastando uma atmosfera  pastoral com passagens mais agressivas lembrando o Porcupine Tree e em alguns momentos o poderoso Dream Theatre. Este CD é um belo  equilibrio de estilos que mantém o ouvinte ligado o tempo todo.

Tracklist:
01. Strangers
02. Envy
03. Dreams Presage
04. Scarlet Dance
05. Woven Wings
06. Ballad of Night
07. Sea
08. Eternity
09. Together
10. Departure





sábado, 15 de fevereiro de 2014


WISHBONE ASH - MELODIC SOUNDS


A história do WISHBONE ASH começa em 1966, quando o baterista Steve Upton do "Scimitars" se juntou ao baixista Martin Turner e ao irmão do baixista, Glen, na banda "THE EMPTY VESSELS". O trio renomeou-se "TANGLEWOOD" e se mudou para Londres. Glen Turner logo se separou do grupo e foi substituído por Ted Turner de uma banda de Birmingham chamada "KING BISCUIT". A nova formação foi completada pelo guitarrista Andy Powell, (Ex-Sugarband). Os dois guitarristas desenvolveram um estilo melódico de duo de guitarras que se tornou a marca registrada do Wishbone Ash.
Em 1970, o Wishbone Ash lançou o seu primeiro LP, chamado Wishbone Ash, estabelecendo um estilo que misturava Blues-Rock, Jazz e Folk Inglês, estilo esse que a banda iria desenvolver nos seus discos seguintes. O trabalho de produção ficava a cargo de Martin Birch que era excelente e este disco continha a obra prima chamada "Phoenix", que se tornaria um clássico do Wishbone Ash nas apresentações ao vivo pois dava espaço para improvisações. Nessa mesma época a banda começou a utilizar letras imaginárias retiradas da mitologia e de fantasias, como em "The King will come", "Throw down the sword", " Persephone & Argus".
Em 1971 O Wishbone Ash gravou "Pilgrimage" e um ano mais tarde "Argus", ambos os discos trazendo o som do Wishbone Ash perto da perfeição e introduzindo arranjos vocais elaborados e sofisticadas passagens musicais. Os dois discos são obras primas.
Em 1973, a banda grava o seu quarto LP "Wishbone Ash Four" e sai em excursão pela europa, as gravações desses shows acabariam  virando um outro disco, "Live Dates" (1973).
Em 1974, Ted Turner deixa a banda e é substituído por Laurie Wisefield (Ex-Home), que acrescentou a steel guitar e o banjo no som do Wishbone no lançamento de 1974 , "There's the Rub". Durante o resto da década de 70, a banda gravou uma série de discos, bons, mas não com a mesma magia dos anteriores.
Em 1987 a formação original se reuniu para gravar algumas canções e um disco todo instrumental, "Nouveau Calls", antes de sofrerem novamente uma série de mudanças na sua formação. No final da década de 90, a banda alcançou uma nova estabilidade com o guitarrista fundador Andy Powell, o baixista Bob Skeat e o baterista Ray Weston e o guitarrista finlandês Muddy Manninen que chegou em 2004.
Esta postagem é uma espécie de história do Wishbone Ash. Para quem não conhece... Uma boa oportunidade de se iniciar.


A.H.I.S.S. - Assemble Head in Sunburst Sound - Manzanita


O A.H.I.S.S cresceu e encontrou o seu som e Manzanita é a prova dessa maturação. Os vocais são um ponto focal deste disco que é o primeiro elemento identificado ao ouvir o álbum pela primeira vez. Como sempre as guitarras são muito boas, complexas e técnicas, mas fácil para os ouvidos e não soam pretensiosas.
Os solos vêm com o melhor tempo possível e não se sentem forçados ou incongruentes. A bateria não poderia ser melhor e poderia muito bem ser apreciada como músicas independentes, mas ela se encaixa tão bem com o resto da música que você não sabe que ela está lá.
Por tudo o que disse, Manzanita é melhor apreciada em um nível global, assim como a forma como foi concebido para ser. Abra seus ouvidos tanto quanto possível, esvazie sua mente de qualquer postura de análise e comparações e deixe a música do Assemble Head in Sunburst Sound te levar por um mundo diferente. 


sábado, 8 de fevereiro de 2014


DRUCKFARBEN - Artifact



Songs :
01. Intro - Pennyfarthing
02. Sons of Anakim
03. Influenza
04. Walk Away
05. Nat Nayah
06. Seems so Real
07. Nonchalant
08. Smaller Wooden Frog
09. Elpo
10. Dead Play Awake
11. Siberian Khatru

A história Druckfarben começou no subúrbio de Toronto, em Scarborough em meados de 1980 , quando o guitarrista Ed Bernard e o baterista Troy Feener começaram a trocar idéias sobre seus interesses musicais durante o 9º ano na Escola de Arte . Ed  apresentou Troy ao rock progressivo do Yes e do  Gentle Giant, e logo os dois começaram a tocar juntos . Um dia, no hall do seu espaço de ensaio numa fábrica abandonada, os jovens músicos descobriram alguns barris pretos com uma palavra estranha estampada sobre eles ... "Druckfarben" . Com eles tentando imaginar o conteúdo dos misteriosas barris , Ed brincou que um dia estariam em uma banda juntos , e que iria chamá-la de  Druckfarben .

Enquanto isso, em um colégio perto dali , o jovem tecladista Will Hare estava ensaiando Bach e Rachmaninoff ; no Jarvis Collegiate no centro de Toronto , e, o jovem baixista Peter Murray ia ganhando uma reputação como um cara que poderia tocar XYZ ?  do  Rush , e , mais ao sul , em Rochester , New York , o cantor Phil Naro já era um front-man profissional de pleno direito na banda de metal Talas , ao lado do lendário Billy Sheehan virtuoso baixo . Os cinco músicos , ainda em sua maior parte desconhecidos uns dos outros , compartilhavam duas características notáveis: todos eram muito talentosos em seus instrumentos escolhidos , e todos eram grandes fãs de rock progressivo.

Anos se passaram  --- E não surpreendentemente , todos os cinco se tornaram músicos profissionais. Isso aconteceu em passagens separadas com bandas independentes e artistas; bandas cover e shows de tributo ;  compondo jingles e trabalhando em estúdios . Todos tornaram-se musicos respeitados em suas cenas locais. Mas a veia prog que  inicialmente inspirou todos eles parecia ter sido ser deixada para trás --- o material de nostalgia, de fantasia, não era comercialmente viável  para se  formar uma banda de prog, que era simplesmente impensável. Pelo menos por um tempo ... Alguns anos mais tarde, Troy se tornou o principal baterista do Classic Albums vivo, um grupo de músicos que tocam discos clássicos nota por nota. Ele desejava tocar em um show prog, e, então, foi  feito um acordo para encenar uma apresentação dos álbuns do YES;  Close to the Edge e The Yes Album. Previsivelmente, todos os futuros membros da Druckfarben foram chamados para o show. Peter recusou, porque ele estava produzindo um álbum na Alemanha na época, mas ele participou do show depois  no histórico  Concerto do Teatro Phoenix em Toronto em 20 de setembro de 2007. Realizar este desafio,de uma música brilhante inspirou a formação de uma banda ... e Druckfarben nasceu......


V.A DANTE'S DIVINE COMEDY - PARADISO


O selo Musea e a revista Finlandesa COLOSSUS finalmente continuaram com o seu projeto dos grandes temas universais, de modo a completar sua coleção de álbuns conceito, dedicados ao Rock Progressivo. O herói da vez é DANTE ALEGHIERI, famoso autor medieval de Firenze (ou Florença)

 Tracklist:
01. Marco Lo Muscio - Intro: The Celestial Way - Towards the Paradise
02. Little Tragedies - Canto I
03. Nuova Era - Canto II
04. Greenwall - Quel mare al qual tutto si move
05. Matthijs Herder - Longing
06. Nexus - El Secundo Reino
07. Brighteye Brison - Under Ornens Vingur
08. The RedZen - Alexa in the Cage
09. Tommy Eriksson - Falling Into Bliss

Total time: 01:02:44

CD 2:
 Tracklist:
01. Posto Blocco 19 - L'ultima Acqua
02. Oracle - Kings of the Future Past
03. Faveravola - Del Francescano Sole
04. Armalite - Il cerchio, la Luce e la Virtu
05. Groovector - Houkutja Kuninkaat
06. Roz Vitalis - Canto XIV
07. De Rossi & Bordini - Dentro la Cerchia Antica
08. Echoes - Nel Cerchio di Luce
09. Jaime Rosas - Cruz del Sur

Total time: 01:07:06

CD 3:
 Tracklist:
01. KBridge - Canto XVIII
02. Simon Says - The Needle's Eye
03. Colossus Project - In the Eye of the Eagle
04. Ozone Player - Canto XXI
05. Jinetes Negros - A li Occhi Belli
06. Blank Manuskript - Living Star
07. Nemo - Sans Voix
08. Daal - Static Stars
09. Matthijs Herder - Sacratus

Total time: 01:07:18

CD 4:
 Tracklist:
01. Mist Season - Defending Hands
02. Kotebel - Canto XVIII
03. Tabula Smaragdina - Angyal
04. Raimundo Rodulfo - El Sol de Sus Ojos
05. Flamborough Head - Labyrinth of Light
06. Lady Lake - Miserere Mei
07. Yesterdays - Canto XXXIII
08. Marco Lo Muscio - Outro: Towards the Stars
09. Atlantis1001 - Conclave Deorum (Bonus track)

Total time: 01:04:16

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014


V.A- DANTE'S DIVINE COMEDY - PART 2  - PURGATÓRIO.



A segunda parte do ambicioso projeto Musea / Colossus 'baseado em Dante Alighieri a "Divina Comédia" lida com a viagem do poeta através do Purgatório, a morada das almas penitentes à espera de subir ao céu, depois de terem sido purgados seus pecados terrestres. O conjunto é composto por 36 faixas, distribuídos por 4 CDs, para um total de 35 bandas e artistas de uma ampla gama de países, cerca de metade dos atos envolvidos já apareceu no "Inferno de Dante". Os CDs são acompanhados por um livreto ricamente ilustrado (incluindo algumas das gravuras magníficas de Gustave Dore), bem como uma sinopse detalhada do cantica (nome dado pelo poeta para cada uma das três partes de sua realização). Não deixe de baixas as capas !

Tracklist:
01. Simon Says - Intro Dreamscapes
02. Nemo - Entre Deux Rives
03. Keybridge - Canto II
04. Ozone Player - Canto III
05. Raimundo Rodulfo - Ascenso Tortuoso
06. Ten Midnight - X for V
07. Soulengine - Polheim
08. Willowglass - The Valley of Kings
09. Atlantis 1001 - Maelstrom

Total time: 01:02:31

CD 2 :
 Tracklist:
01. Contrappunto Project - E Dopo Nulla Fu Piu’ lo Stesso
02. Sophya Baccini - Oh Silly Pride
03. Nexus - The Scheme Goes On
04. Nuova Era - Canto XII
05. Survival - Impressions (Survival)
06. Little Tragedies - Onde Vi Batte Chi Tutto Discerne
07. Armalite - Muove il Vento I Miei Capelli
08. Phideaux - Strange Cloud
09. Tommy Eriksson - The Stream of Hope

Total time: 01:02:02

CD 3:
 Tracklist:
01. Entrance - Luna
02. Maxwell's Demon - Avarice Atoned
03. Rak - The Verse Continues
04. Colossus Project - Canto XXI
05. Matthijs Herder - Honey & Locusts
06. Mad Crayon - Is It This the Price For the Redemption
07. Tabula Smaragdina - A Varasz Fa Alatt
08. Blank Manuskript - Canto XXV
09. Lady Lake - Som De La Scalina

Total time: 01:05:52

CD 4:
 Tracklist:
01. Groovector - Tie Autuuteen
02. Mist Season - Matelda’s Song
03. Flamborough Head - By the Bank of the River
04. Yesterdays - Feluton
05. B612 - Canto XXXI
06. Equilibrio Vital - Juicio Final
07. Jinetes Negros - Canto XXXIII
08. Simon Says - Outro Elohe Sebaot
09. Pasini & Ragozza - Purgatorio (Bonus track)

Total time: 53:48


V.A- DANTE'S  DIVINE COMEDY - PART 1 INFERNO 

O Selo Musea e o Colossus, revista finlandesa, continuam sua busca por maiores temas universais, a fim de completar a sua coleção de Álbuns-conceito dedicados ao rock progressivo. O herói do dia é Dante Alighieri, o famoso autor medieval de Firenze, que escreveu "A Divina Comédia". É precisamente esta peça épica de trabalho, sem dúvida, um dos maiores livros de todos os tempos, que serve de base para este novo projeto. E, claro, ele foi dividido em três partes: Inferno, Purgatório e Paradiso. O primeiro volume é feito de trinta e quatro "cantos" despachados em quatro discos, cada um mostrando a interpretação pessoal de uma banda internacional, de acordo com as regras do gênero: não aos "drumboxes", os únicos instrumentos permitidos foram os dos poderosos anos setenta, o mesmo que para a inspiração musical.

Tracklist:
01. Nuova Era - Lasciate Ogni Speranza , Voi Ch'entrate
02. Yesterdays - Isteni Szinjatek
03. Little Tragedies - Canto III
04. Lady Lake - From the Quiet to the Air that trembles
05. Greenwall - Come Corpo Morto cade
06. Nemo - Inferno (Six Pieds sous Terre)
07. Nexus - El Cuarto Circulo (The Fourth Circle)
08. Atlantis 1001 - Back to Earth
09. Flamborough Head - Daughters of Night
10. Colossus Project - Inferno Canto

Total time: 01:11:38

CD 2: 
Tracklist:
01. Court - Anastasius Epitaph
02. Willowglass - The Crossing
03. Wicked Mind - Blood from the Trees
04. Brightey Brison - Capaneus
05. Matthijs Herder - Brunetto
06. Garamond - Canto XVI
07. Ars Nova - Demon's Forest
08. Il Castello di Atlante - Malebolge
09. Groovector - Ainiaan erhe

Total time: 01:04:58

CD 3 :
Tracklist:
01. Cap - La Danza dei Contrari
02. Ozone Player - Inferno XXI
03. Sinkadus - Stuck in Hell
04. Viima - XXIII
05. Nota bene - La Profezia
06. Entrance - Serpientes
07. Advent - Canto XXVI
08. Contrappunto Project - Guido da Montefeltro

Total time: 55:16

CD 4:
 Tracklist:
01. Armalite - Scisma
02. Corte Aulica - Dissolvenza
03. Raimundo Rodolfo - Falsedad y Castigo
04. De Rossi & Bordini - Pozzo dei Giganti
05. Tempano - The IX Circle - Traitors
06. Nathan Mahl - The Comfort of Tears
07. Simon Says - Become a Boy

Total time: 55:19

terça-feira, 4 de fevereiro de 2014


PETE SINFIELD - STILL




STILL é o primeiro álbum solo de Pete Sinfield, realizado em 1973. Letrista do King Crimson na época, Sinfield esteve envolvido com o Emerson, Lake & Palmer e Greg Lake deu a sua colaboração nos vocais, enquanto outros membros do KIng Crimsom também participaram da gravação do álbum.
O CD é Ótimo e vale a pena conferir.

Track list:
    "The Song of the Sea Goat" 6:07[2]
    "Under the Sky" 4:21
    "Will It Be You" 2:42
    "Wholefood Boogie" 3:38
    "Still" 4:48
    "Envelopes of Yesterday" 6:20
    "The Piper" 2:51
    "A House of Hopes and Dreams" 4:09
    "The Night People" 7:54

Musicos Convidados:

 Peter Sinfield - vocals, guitar (12 String), synthesizer, guitar (acoustic), guitar (producer, main performer, cover design)
    Min - drums, percussion
    Chris Pyne - trombone
    Stanley Roderick - trumpet
    W.G. Snuffy Walden - guitar
    Ian Wallace - drums
    Brian Flowers - synthesizer
    Don Honeywell - saxophones
    Keith Christmas - guitar
    Greg Lake - guitar, vocals, associate producer, mixing
    Robin Miller - Woodwind
    Greg Bowen - trumpet
    Richard Brunton - guitars
    Boz Burrell - bass
    B.J. Cole - Steel guitar
    Mel Collins - celeste, flute (Alto), flute (bass), saxophone, saxophone (Alto), saxophone (Baritone), saxophone (Tenor), Wind, brass, flute (arranger, associate producer, mixing)
    Steve Dolan - bass
    Tim Hinkley - piano (electric), piano
    Phil Jump - Glockenspiel, keyboards, Hammond organ, piano (electric), organ, synthesizer, piano
    The Box - bass
    John Wetton - drums, bass



V.A- TUONEN TYTAR - TRIBUTE TO FINNISH PROGRESSIVE


A Sociedade finlandesa de valorização do rock Progressivo Colossus tem  feito um trabalho  muito bom  nos últimos anos, desde que começou a emitir uma linha de lançamentos do projeto em 2000. Em colaboração com a lendária gravadora francesa Musea, mais de uma dúzia de conceitos musicais têm sido concebidos, executados e lançados. O primeiro desses projetos foi nomeado Tuonen Tytär, um CD duplo com homenagens a vários artistas finlandeses a partir da idade de ouro do rock progressivo.
Vale a pena conferir.
 Tracklist:
01. Haikara plays Haikara - Yksi Maa - Yksi Kansa
02. Progele plays Pekka Pohjola - Armoton Idylli
03. Lost Spectacles plays Matti Järvinen - Tuulee Niin
04. Jari Kokkola group plays Pekka Pohjola - Nykivää Keskustelua Tuntemattoman Kanssa
05. Wasami plays Wigwam - Do Or Die
06. Whipping Post plays Kaamos - When Shall We Know
07. Abracadabra plays Pekka Pohjola - Oivallettu Matkalyhty
08. Lars Erik Mattsson plays Jukka Tolonen - Windermere Avenue
09. Scarlet Thread plays Sahti - Säikkyvä
10. Esko Etelä plays Wigwam - Losing Hold (party mix)

Total time: 01:04:33

CD 2:
 Tracklist:
01. Circle plays Haikara - Kun Menet Tarpeeksi Kauas Tulevaisuuteen, Huomaat Olevasi Menneisyydessä
02. Pleromah plays Tasavallan Presidentti - Lambertland
03. Holy Lamb plays Finnforest - What A Night
04. Tajuvana plays Piirpauke - Imala Maika
05. Pikkulotat plays Tasavallan Presidentti - Lennosta Kii
06. Man On Fire plays Wigwam - June Maybe Too Late
07. Overhead plays Piirpauke - Konevitsan Kirkonkellot
08. Heatwave plays Wigwam - Planet Star
09. Phil Beane plays Pekka Pohjola - Mathematician's Air Display
10. Lindenhurst plays Tasavallan Presidentti - Deep Thinker
11. Five Fifteen plays Royals - High
12. Mesmer plays Mandala - Don't Wake Me Now