domingo, 27 de fevereiro de 2011

NATÜRLICH PROG - Programa N.º 15

Programa que foi ao ar em 26/02 pela RWULP

Play List

BLOCO 1 - TOXIC SMILE
1- Liquid Wall
2- The Abyss
3- Hidden Brand
4- Walked By Fear
BLOCO 2- LIVING LIFE
5- Welcome People
6- Mysterious Dream
7- Oldeurope
8- Living with the Music
9- Sliding Through the Clouds of Cusco
BLOCO 3 - SINGULARITY
10-Inferno
11- In PAssing
12- All Comes Down
13- Ground Zero
14- Still
15- Hold a Candle
16- Traces
17- Metamorphosis
18- Coming Undone
19- Infractus
BLOCO 4 - YEZDA URFA
20- Give'em Some Rawhide Chewies
21- To-Ta in the Moya
22- Three Tons of Fresh Thyroid Glands

Produção e Apresentação - Gäel
 

sábado, 26 de fevereiro de 2011

FLOH DE COLOGNE - Geyer Symphonie 1974

Floh de Cologne é uma banda alemã, ativa de 1966 até 1983, considerada a pioneira do Krautrock.
Independentemente do sucesso alcançado na década de 70, a banda se separou em 1983.
O Grupo foi formado em 1966 por um grupo de estudantes anarquistas todos da Universidade de Colonia (Köln). O seu primeiro álbum, Vietnam, realizado em 1968, é uma crítica feroz sobre a guerra do Vietnam. O famoso e muito controverso Rolf Ulrich Kaiser, impressionado pela  música e  letras do grupo, decidiu produzir os dois álbuns seguintes do grupo ; "Rockoper Profitgeier" (1971) e "Lucky Strike" (1972).
O estilo musical do grupo é considerado Krautrock.

* Gerd Wollschon (vocals/keyboards)
    * Markus Schmidt (bass guitar/violin)
    * Hans-Jorg "Hansi" Frank (drums/keyboards)
    * Britta Baltruschat (vocals)
Outros Membros:
    * Theo König (saxophone/clarinet/armonica)
    * Dick Städtler (bass guitar/guitar)
    * Vridolin Enxing (keyboards/bass guitar/guitar/cello)


CIRKUS Two - The Global Cut (1994)

Este CD é o novo projeto do Grupo Britanico, depois de um longo período de inatividade. Dos cinco componentes da formação original, só restou o tecladista Derek Miller. Na realidade, foi uma experiencia, a primeira tentativa de produzir tudo no seu próprio estúdio, Dereka. O guitarrista Paul Baker e o vocalista Ian Weatherburg estiveram envolvidos nas gravações do disco.
Com larga experiência e com a reunião de uma boa quantidade de material novo, não houve muito trabalho para os novos participantes no sentido de ter que escrever e montar os arranjos do material, pois já estava tudo feito.
Assim como no álbum debut, o grupo não se deu ao trabalho de procurar produtores experientes nem profissionais para lidar com a divulgação do novo CD.
Derek cuidou de tudo e ainda usou a tecnologia para  programação de bateria. De qualquer jeito, o álbum é bem progressivo, no estilo "Crossover/Neo progressive".

sábado, 19 de fevereiro de 2011

CIRKUS -one

Formado das cinzas das bandas Moonhead e Tyson Lucas, o grupo de alto padrão de musicalidade era bem conhecido na sua terra natal, onde atraia muita atenção e tinha um frupo de seguidores devotados. Era esperado que o quinteto pudesse alcançar o sucesso em escala nacional, desde que  as questões de gestão e gerenciamento fossem manuseadas adequadamente. Em 1973, eles gravaram seu álbum de estréia, "One Cirkus" no Sound Associates / Emison & Air Studios e apenas 1000 cópias foram prensadas . É considerado por muitos colecionadores de hoje como o grupo mais musical dentre os de prensagem privada do seu género a surgir fora da cena do Reino Unido, a música então florescente, progressiva, influenciados por King Crimson e YES. Quando em 1975 o vocalista Paul Robson deixa o grupo, o seu substituto foi Roadhouse Alan (ex Halfbreed), que também tocava saxofone. Com Dogg nas guitarras acústicas e elétricas, Derek Miller nos teclados, John Taylor no baixo e  o principal compositor Stu McDade fornecendo backing vocal, bateria e persussão variados, o grupo seguiu em frente.
Como resultado, a banda se afastou do seu estilo inicial sinfônico adotando uma abordagem um pouco mais mainstream ainda que mantendo um certo "som Cirkus".

Em 1977, O Cirkus toma uma direção incomum em turnê com uma produção um pouco bizarra chamada  "O Choque do Futuro". Baseado no musical, um LP com o mesmo nome foi lançado, apesar de nenhum dos membros da banda ter escrito  nem uma parte do material. O LP foi lançado pela Shock Records e hoje é muito raro. A música é de uma natureza caprichosa e excêntrica, muito longe das raízes  do rock progressivo e, portanto, de recurso limitado. Um ano depois, uma faixa  chamada "I'm On Fire" foi apresentada na "Batalha das Bandas " LP, mas esta foi a cartada final do grupo, antes dos cinco seguiram seus caminhos  no início dos anos 80.

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

GRUPPO D'ALTERNATIVA - Ipotesi


Essa banda Italiana de nome pouco comum é ainda pouco conhecida pelos apreciadores de Prog Italiano, mesmo que seu único álbum seja bastante interessante, com momentos muito interessantes.
O ponto fraco desse grupo é a voz do vocalista ;  fraca e monótona, mas que combina muito bem com o estilo do grupo. Não é um disco que se goste a primeira audição. É preciso acostumar e entrar no clima das variações atonais e jazzísticas do grupo. As nove músicas são conectadas fazendo parte de um todo, uma narrativa cheia de imagens, recordações, tristezas e arrependimentos.
O Gruppo D'Alternativa era de Milão e IPOTESI foi concebido como uma Ópera Rock e foi apresentado no Teatro Uomo com grande sucesso. Ipotesi é baseado na morte de um amigo do vocalista do grupo num acidente automobilístico. O LP lançado pela Harvest, contém somente parte da ópera completa que se apóia muito na improvisação e que para a gravação do LP foi editada. A maioria dos membros do grupo declaram a influencia de Miles Davis na sua formação musical.
Como o álbum é muito "underground", não tendo portanto um apelo comercial, a gravadora pediu ao grupo que preparasse um segundo álbum mais comercial, o que causou a decisão do grupo em se separar.
Leonardo Dosso tocou por algum tempo com o "Stormy Six, no período dos albuns  "Cliché" e  "L'apprendista", mas logo depois, ao final de seus estudos de música foi se dedicar  à música de Camera e fundou o "Quinteto Arnold Woodwind" , tocando com eles por mais de 20 anos. Ele hoje é professor de música e colabora com grupos de música Barroca.

Tino Guasconi (vocals)
Gianfranco Fumagalli (flute)
Leonardo Dosso (bassoon, acoustic guitar)
Rodolfo Pace (guitar)
Roberto Romano (keyboards)
Paolo Rizzi (bass)
Nino Flenda (drums, percussion)




quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

GENTLE GIANT (1997) - Under Construction

Album duplo do G.G composto de algumas canções inéditas e re-mixagens de canções publicadas em seus álbuns mais conhecidos.  Não vou publicar o CD 2 por achar completamente dispensável , pois apresenta canções já bastante conhecidas e em versões bastante pobres já que se tratavam de restos de gravações e de fitas de ensaios. Algumas dessas canções inclusive estão incompletas devido ao fato de se tratarem de restos de gravações. O CD 1 , que publico aqui é bastante interessante para os fans do grupo.

AUTOMAT - Doid 1978

Projeto de tres Italianos, Musumarra, Gizzi que vieram da banda de pop rock italiana  La Bottega dell’Arte e Maggi, que construiu o sintetizador MCS70 (Memory Controler Synthesizer 70). O LP AUTOMAT foi lançado com as demo tapes dos testes realizados durante o desenvolvimento do equipamento. A nota de destaque é a faixa DROID que durante algum tempo foi usada como tema de abertura de um dos Telejornais da Globo.  Para os apreciadores da música eletrônica , vale conferir.

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Berluc - Reise zu den Sterne

Primeiro disco do antigo grupo da Alemanha Oriental, que fazia um som ácido e pesado, na época, e que frequentou a programação da saudosa ELDO POP.
(Ripado de LP)

Bloodrock - Live(1972)


Bom álbum dos texanos de Fort Worth. O Bloodrock faz um som consistente e mais uma vez se comprova o gosto duvidoso dos produtores musicais das gravadoras aqui no Brasil, pois não se consegue entender como uma banda desse quilate não teve a mínima atenção do mercado fonográfico. Grande sucesso dentro dos EUA, ao lado do grande BLACK SHEEP, de New York, considerado por alguns o FREE norte-americano. . O Bloodrock era o queridinho dos soldados Americanos no vietnã.  Destaque para "Gotta Find a Way".

Nick Taylor - guitars, vocals
Ed Grundy - bass, vocals
Stevie Hill - keyboard, vocals
Jim Rutledge - drums, vocals
Lee Pickins - guitars, vocals


sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Blezqi Zatsaz - Rise And Fall Of Passional Sanity


Banda de Rock Sinfônico do Brasil, baseado nos trabalhos de teclados de Fábio Ribeiro com momentosbrilhantes. Às vezes entusiasmados, às vezes clássico, e que parece ser uma grande influência de RickWakeman em Fabio Ribeiro. O álbum inteiro é muito bom, mesmo que não haja super-estruturas complexas, pois as melodias são muito simples, mas o conjunto é muito legal.

1. Dawn (3:45)
2. The last Wisdom (6:34)
3. Mind (1:08)
4. Heart and Soul (11:40)
a) First impression (2:48)
b) Dreamare (1:06)
c) Awake by the Awe (2:22)
d) No sting of Conscience (1:34)
e) Dreamare Reprise (3:50)
5. Shine (0:53)
6. Perpetual Motion (4:37) CD Only
7. In a Flash (4:10)
8. Friday Twilight (6:44) CD only
9. Haunted Recollections (1:18)
10. The Wrath (6:20)
a) Presence (2:35)
b) The Steal (3:45)
11. Void,The Partner (1:35)
12. The Rising (6:30)
a) The pseudo Cure (1:52)
b) End of the Troubled Season? (4:38) 

 - Fabio Ribeiro / keyboards
-Chico Mocinho / drums, percussion, drums stick
- Ronaldo Lobo / bass and Fretless
- Luix Sacoman / guitars
Guest:
- Jose Renato Luiz / Jazz solo guitar 

CASA DAS MÁQUINAS - Lar de Maravilhas (1975)



Banda de Progressivo Brasileira que gravou um bom disco de Prog-BR. BAstante considerado por aqui, a banda gravaou dois LPs, sendo que o de maior importância foi este. A BAnda foi formada por José Aroldo Binda (Aroldo), Luiz Franco Thomaz (Netinho),ex-integrantes dos Incríveis , Carlos Roberto Piazzoli ( Pisca), Carlos Geraldo Carge (Ex Som Beat) e Pique ( Ex membro da Banda de Roberto Carlos).


domingo, 6 de fevereiro de 2011

BRONIN HOGMAN BAND 1975



Com o advento da internet passou a ser possível para uma grande maioria ter acesso a raridades do mercado progressivo.
Por ser obscura e rara, essa banda americana que esteve em ação durante os anos de 1975/76 tem muito pouca informação disponível, mas o som vale a pena ser conferido. O arquivo foi ripado de um LP saído não sei de onde.Mas, a qualidade está bem razoável. Sabe-se que é uma banda com dois tecladistas e que vem de New Hampshire. Tres dos seus integrantes dividem os vocais . Eles nos fazem lembrar do Styx e do Kansas.

Parece que a raridade deste LP deve-se ao fato de terem sido impressas somente 500 cópias.

Tracklisting:
1 Timely Woman
2 Live for Today
3 Captain Courageous
4 Warrior
5 No More Football (for Me, Dad)
6 Shoe Shop Country
7 Octover Eve/ Ensemble of Frustration
8 Tragical Spectacle

Bronin Hogman Band is:

Delrio - vocal, perc
Peter Baron - vocal, guitarra
Bill Arvanitis - guitarra
Denis Thibodeau - keyboard
Brian Poor - keyboard
Frank Barnes - baixo, vocal
John Schunemann - harp
Dennis Anctil - Bateria

NOVO LINK

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

BADGER - One Live Badger

A Banda foi fundada por Tony Kaye depois de ter deixado o  Yes, e por  David Foster. Foster  tocou no Warriors  com  Jon Anderson  antes de Anderson  fundar o Yes. Foster mais tarde trabalharia na Banda Time and a Word junto com Tony Kaye. A dupla chamou então o baterista Roy Dyke, vindo do  Ashton, Gardner & Dyke, e mais tarde, o próprio Dyke indicaria Brian Parrish como guitarrista.
O primeiro lançamento do Badger, One Live Badger, co-produzido por Jon Anderson e Geoffrey Haslam, foi aproveitado de um  show de abertura para o Yes. O disco é no estilo progressive rock ,  sendo que  todas as canções foram escritas pelos  membros da banda .
Songs / Tracks Listing
1. Wheel Of Fortune (7:04)
2. Fountain (7:12)
3. Wind Of Change (7:00)
4. River (7:00)
5. The Preacher (3:35)
6. On The Way Home (7:10)

                                         Line-up / Musicians
- Roy Dyke / drums
- Dave Foster / bass, vocals
- Tony Kaye / keyboards, Mellotron
- Brian Parrish / electric guitar, vocals


AUNT MARY - Janus





Banda  da Noruega, Aunt Mary  se consagrou  fazendo  um  Rock  Progressivo, com pitadas de Hard Rock.
O mais sinfônico dos seus álbuns é o terceiro, e último álbum de estúdio, Janus. Um grande e conceituado álbum. Janus é um extraordinário trabalho, apresentando um som sinfônico com belas canções e  arranjos  musicais perto da perfeição. Tudo se encaixa perfeitamente de forma harmonica, vide as belas "All We've Got to Do is Dream" e "Path Of Your Dream", minhas favoritas.


Músicos:
Bjorn Christiansen - guitarra e vocais
Sven Gundersen - baixo e vocais
Bengt Jenssen - órgão Hammond
Ketil Stensvik - bateria

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

AYNSLEY DUNBAR - Mutiny (2009)


Do "boom" do blues britânico dos anos 1960 surgiram alguns músicos individualmente excepcionais ; Cyril Davies, Eric Clapton e Peter Green estão entre os mais notáveis. Mas não havia dúvida de que o Aynsley Dunbar Retaliation levou o prêmio como banda de blues mais talentosa, e sem elos fracos. Embora raramente mencionados na primeira idéia como Ginger Baker, Keith Moon e John Bonham, todos os músicos sabiam que Aynsley Dunbar era um baterista de classe mundial em qualquer gênero popular, facilmente igualado a um dos nomes mais conhecidos. Junto com o baixista Alex Dmochowski, eles formaram uma seção rítmica incomparável na cena do blues , com finesse e  capacidade de swing. Com  Victor Brox, o Retaliation teve um dos melhores cantores de blues da Grã-Bretanha, um multi-instrumentista e compositor prolífico. Caso único entre as bandas de blues, a maioria das produções e gravações do Retaliation era própria, a maior parte escrita por Brox. E o guitarrista John Morshead  era um "master class" na máxima em que "menos é mais", um mestre do bom gosto  e da fluência, só rivalizado por Peter Green. Capaz de caber musicalmente em quase todos os estilos, como visto em seu trabalho com John Mayall, Frank Zappa, David Bowie e Whitesnake, Aynsley está de volta com este fantástico novo registo. Curtam !